Menu
Busca quarta, 21 de agosto de 2019
SAÚDE

Saúde confirma três novos casos e MS soma 13 mortes por gripe

04 junho 2019 - 08h56Por Da Redação com informações do Correio do Estado

O número de mortes por gripe neste ano subiu para 13 em Mato Grosso do Sul, com a confirmação de três novos óbitos pela doença em menos de uma semana. Dados foram divulgados na segunda-feira (03) pela Secretaria Estadual de Saúde (SES).

Até a última quinta-feira (30), dez pessoas haviam sido vítimas da doença e, de lá para cá, foram confirmados os três novos casos, sendo um homem de 33 anos, que morreu no dia 30 de maio em Porto Murtinho; uma mulher de 36 anos, que veio a óbito no sábado (1º), em Corumbá, e havia recém dado à luz, tendo hipertensão específica da gravidez. Ambas as vítimas morreram por Influenza A H1N1.

A última morte confirmada ocorreu na segunda-feira (03), sendo a vítima uma mulher de 87 anos, que estava acamada, e morreu por Influenza A não subtipada, em Rio Verde de Mato Grosso, em MS.

De janeiro até hoje, somando as novas confirmações, já foram registrados cinco mortes por gripe em Três Lagoas, duas em Corumbá, duas em Rio Verde de Mato Grosso, e uma nos municípios de Aquidauana, Inocência, Campo Grande e Porto Murtinho.

SINTOMAS

Conforme os profissionais da Saúde, o vírus H1N1 causa os mesmos sintomas das outras versões do vírus da Gripe, ou seja, o paciente apresenta sintomas de febre alta, mal-estar, dores de cabeça, espirros constantes e tosse. Em alguns casos de H1N1, pode haver também dificuldade para respirar ou falta de ar.

Quando os sintomas aparecem, o aconselhável é procurar imediatamente a Unidade de Saúde mais próxima da residência do paciente para o diagnóstico médico e tratamento adequado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

NARCOTRÁFICO
Condenado a 59 anos por narcotráfico, chefão do PCC em MS perde aviões e 22 carros
JUSTIÇA
Paciente deverá receber atendimento domiciliar pelo SUS
POLÍTICA
Reunião dos ministros de agricultura do Brics vai mostrar ao mundo a produção sustentável do país
POLÍTICA
Bolsonaro: aumento de queimadas na Amazônia pode ser ação criminosa