Menu
Busca quinta, 25 de abril de 2019
(67) 9.9973-5413
ESTADO

Exportações de industrializados de MS têm alta de 9% no ano

15 abril 2019 - 14h00Por Da Redação

A receita obtida com as exportações de produtos industrializados de Mato Grosso do Sul de janeiro a março de 2019 apresenta alta de 9% em relação ao mesmo período de 2018 e a receita já soma US$ 923 milhões contra US$ 844,5 milhões dos três primeiros meses do ano passado, conforme levantamento do Radar Industrial da Fiems.

Segundo o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende, em março, a receita com a exportação de produtos industriais alcançou US$ 331,1 milhões, aumento de 20% em relação ao mesmo mês de 2018, quando o valor ficou em US$ 276,3 milhões. “Esse foi o melhor resultado para o mês de março da série histórica das exportações de produtos industriais de Mato Grosso do Sul”, ressaltou.

Quanto à participação relativa, no mês, a indústria respondeu por 67% de toda a receita de exportação de Mato Grosso do Sul, enquanto no acumulado do ano a participação está em 78%. Os principais destaques ficaram por conta dos grupos “Celulose e Papel”, “Complexo Frigorífico”, “Óleos Vegetais”, “Extrativo Mineral”, “Couros e Peles” e “Siderurgia e Metalurgia”, que, somados, representaram 98% da receita total das vendas sul-mato-grossenses de produtos industriais ao exterior.

Detalhamento por grupos

O grupo “Celulose e Papel” registrou nos primeiros três meses deste ano receita de US$ 561,4 milhões, um aumento de 37%, que foram obtidos quase que na totalidade com a venda da celulose (US$ 553,3 milhões), tendo como principais compradores China, com US$ 298,7 milhões, Estados Unidos, com US$ 83,6 milhões, Itália, com US$ 52,4 milhões, Holanda, com US$ 49,4 milhões, e Espanha, com US$ 13 milhões.

“Mato Grosso do Sul fechou o primeiro trimestre de 2019 como o maior exportador brasileiro em volume de celulose de fibra curta. Dados do Ministério da Economia apontam que, nesses três meses, o Estado vendeu para o mercado internacional 1,202 milhão de toneladas do material, obtendo uma receita de US$ 553,336 milhões”, analisou Ezequiel Resende.

Já no grupo “Complexo Frigorífico” a receita conseguida de janeiro a março foi de US$ 230,2 milhões, uma redução de 8% em relação ao mesmo período do ano passado, sendo que 41,6% do total alcançado é oriundo das carnes desossadas de bovinos congeladas, que totalizaram US$ 95,8 milhões, tendo como principais compradores Hong Kong, com US$ 40,3 milhões, Chile, com US$ 30,4 milhões, Emirados Árabes Unidos, com US$ 25,9 milhões, China, com US$ 15,3 milhões, e Arábia Saudita, com US$ 14,1 milhões.

“A abertura de mercado dos EUA terá pouco impacto nas exportações de carne brasileiras. Analistas estimam reabertura do mercado norte-americano a partir de agosto, sendo que a missão desembarca no Brasil em junho para auditar o sistema de inspeção de estabelecimentos de carnes bovinas e suínas. No entanto, pelo menos neste ano, o Brasil terá poucas chances de tirar proveito de uma eventual reabertura do mercado norte-americano a partir do segundo semestre do ano”, ressaltou o economista.

Outros grupos

Para o grupo “Óleos Vegetais”, a receita alcançou US$ 46,3 milhões no trimestre, um crescimento de 2% na comparação com o mesmo período de 2018, com destaque para farinhas e pellets da extração de óleo de soja, que somaram US$ 43,9 milhões, tendo como principais compradores a Indonésia, com US$ 13,4 milhões, o Reino Unido, com US$ 10,5 milhões, a Polônia, com US$ 8,26 milhões, e Dinamarca, com US$ 1,7 milhão

“Neste ano, as exportações brasileiras de derivados de soja devem ter maior concorrência com a Argentina. Nesta safra 2018/19, o país vizinho deve colher 55,5 milhões de toneladas de soja, 46,8% a mais que na temporada passada. Além disso, os Estados Unidos colheram, em 2018, 125,17 milhões de toneladas, volume recorde. O consumo interno deve ser favorecido pela maior demanda para produção de biodiesel”, pontuou Ezequiel Resende.

No grupo “Siderurgia e Metalurgia Básica”, as exportações de janeiro a março deste ano somaram US$ 11,5 milhões, uma elevação de 239% na comparação com o mesmo período de 2018, com destaque para ferro fundido bruto não ligado, que somou US$ 10,3 milhões, tendo como principais compradores o México, com US$ 9,5 milhões, Paraguai, com US$ 807,7 mil, Argentina, com US$ 783,9 mil, e Bolívia, com US$ 372,2 mil.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA
Cinco projetos deverão ser votados nesta quinta-feira na ALMS
GERAL
INSS terá que regularizar perícia médica em dois municípios de MS
BRASIL
Juiz dá oito dias para defesa de Lula se manifestar em ação do sítio
ECONOMIA
Tabela do frete é reajustada em 4,13%