Menu
Busca domingo, 13 de outubro de 2019
ECONOMIA

Mato Grosso do Sul aumenta em 46% volume de exportações de janeiro a agosto

18 setembro 2019 - 11h45Por Dourados News

O volume de carne bovina exportado pelo estado entre janeiro a agosto foi de 117 mil toneladas, representando um aumento de 46% em relação ao ano de 2018. A receita da comercialização atingiu o valor de US$ 432,2 milhões. Entre os principais destinos da carne in natura, estão o Chile, Hong Kong e os Emirados Árabes Unidos.

Os dados são do MDIC (Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços). Esse é tema do Mercado Agropecuário dessa segunda-feira (16).

A perspectiva para os próximos meses ganhou força já que mais duas plantas frigoríficas do estado estão habilitadas a vender carne para a China, um mercado novo e robusto. Segundo o presidente do Sistema Famasul, Maurício Saito, essa abertura contribui para alavancar ainda mais o aumento da comercialização.

“Pela característica de sermos um estado agropecuário, nós temos uma possibilidade de incremento regional e automaticamente também a Mato Grosso do Sul”.

O comunicado foi recebido pelo Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), e Saito também destaca o valor pago por toneladas pelos chineses. “Isso nos traz novos mercados e a China é um grande player. A tonelada paga em média nos oito primeiros meses de 2019, supera US$ 4,9 mil dólares, que é cerca de 27% superior ao preço praticado pelos demais países. Então a abertura tem uma importância porque causa uma movimentação, não só na classe produtora, mas também em toda a sociedade de Mato Grosso do Sul”.

Ainda segundo o Mapa, o número de abates no Brasil durante os oito primeiros meses registrou um aumento de 10,7%, chegando aos 2,1 milhões de cabeças de gado e 548 mil toneladas. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

EDUCAÇÃO
Evento em Brasília incentiva jovens a serem cidadãos globais
POLÍTICA
Bolsonaro destaca ações do governo em outubro
Economia
Competição entre bancos reduz juros do crédito imobiliário
SAÚDE
Concorrência pode reduzir custo de medicamentos biológicos