Menu
Busca domingo, 24 de janeiro de 2021

Maturação in vitro de óvulo pode reduzir custo de tratamento

02 agosto 2012 - 00h00
*Fonte: Terra


IVM é a sigla, vinda do inglês, que designa a maturação in vitro de óvulos (in vitro maturation). O procedimento pode facilitar o tratamento de reprodução assistida para a mulher, tanto para o corpo, quanto para o bolso. As mais beneficiadas são as mulheres com ovários policísticos.

O desenvolvimento dos óvulos começa mesmo antes do nascimento da mulher. Quando ela nasce, já tem o "estoque" de todos seus futuros óvulos. A partir da puberdade, a cada mês é amadurecida uma dessas células, que é liberada pelo ovário.

Todos esses processos acontecem naturalmente no corpo feminino. O que a IVM faz é reproduzi-los em laboratório e mais rapidamente. Nesse tratamento, os óvulos imaturos são colhidos por procedimento cirúrgico e inseridos em meios de cultura com líquidos que simulam o ambiente ovariano e incentivam a maturação.

Depois de maturadas, essas células são fertilizadas por meio da injeção intracitoplasmática de espermatozoide (ICSI). Nela, o gameta masculino é inserido diretamente no óvulo. Após a fecundação, é feita a transferência embrionária para o útero.

Diferenças para FIV normal
A maior diferença da IVM para a fertilização in vitro (FIV) normal é que esta última estimula a maturação dos óvulos dentro corpo da mulher, por meio de injeção de hormônios. Somente após esse processo eles são captados e fecundados em laboratório. Enquanto a estimulação ovariana dura em torno de 10 dias, na IVM o óvulo é amadurecido entre 24 e 48 horas.

Outra vantagem da IVM é que ela é consideravelmente mais barata que a FIV normal. "Praticamente metade do valor que o casal gasta durante a fertilização in vitro é em medicamentos, os hormônios injetáveis. Algo em torno de R$ 3 mil e R$ 7 mil", afirma o médico.

Além disso, a mulher não tem os efeitos colaterais dos hormônios utilizados durante o tratamento, como alterações de humor e dor. Evita-se, também, o risco de síndrome do hiperestímulo ovariano.

Desvantagens
Sendo mais barata e cômoda para a mulher, existe um motivo para ela não seja utilizada em todos os casos de reprodução assistida? "Na maioria dos centros que faz essa técnica, e ainda são poucos no mundo, há ao redor de 10 pontos percentuais a menos de chance de engravidar", explica o médico. Nessa técnica, o número de óvulos colhidos é menor e, consequentemente, são formados menos embriões de qualidade.

A técnica é aplicada normalmente em mulheres de até 35 anos, que possuem óvulos de maior qualidade, e com risco de síndrome do hiperestímulo ovariano decorrente do uso de hormônios. Nesse grupo se encaixam as mulheres com síndrome de ovários policísticos. Cerca de 10 a 20% dessas pacientes escolhem a técnica.

No Brasil, são poucas as clínicas que fazem o procedimento. Embora seja mais fácil para a mulher, ele é mais complicado para os médicos. A dificuldade de importar remédios também serve de empecilho.

Ainda assim, o método tem-se aprimorado nos últimos anos. "Os meios de cultura e os computadores utilizados no procedimento estão evoluindo. O ideal é que todos os casais pudessem fazer uso dessa técnica, mas não sei se vai substituir a FIV normal", diz Marcos. "Pelo menos para as pacientes com síndrome de ovários policísticos, já está ajudando a engravidar", completa.

Busca um especialista em Fertilidade? Clique aqui e confira a lista dos profissionais

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Fiocruz negocia mais 15 milhões de doses de vacina da AstraZeneca
STJ
Ministro suspende interrogatório de advogado que criticou condução da pandemia pelo governo
INOVAÇÃO
Startup de design investe em site para vender produtos sul-mato-grossenses
POLÍCIA
PM apreende munições de fuzil e drogas que tinham destino à cidade do Rio de Janeiro