Menu
Busca sexta, 15 de janeiro de 2021

Osteoporose é um problema crescente na saúde pública e merece atenção também na zona rural

Osteoporose é um problema crescente na saúde pública e merece atenção também na zona rural

25 agosto 2012 - 00h00Por Fonte: Isaude
O artigo “Fatores associados à qualidade de vida de idosos com osteoporose residentes na zona rural” realizou um inquérito domiciliar com objetivo de medir a qualidade de vida desse grupo específico e verificar fatores associados. De acordo com as autoras, os menores escores relacionaram-se ao maior número de morbidade, à ausência de escolaridade e a menor idade. A pesquisa faz parte da edição de junho da revista de enfermagem da Escola Anna Nery, da UFRJ, e as suas autoras são Darlene Mara dos Santos Tavares, Nayara Cândida Gomes, Flavia Aparecida Dias e Nilce Maria de Freitas Santos, todas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro em Uberaba (MG).

Segundo as autoras, o envelhecimento humano na zona rural apresenta especificidades, devido às particularidades históricas, socioculturais e ecológicas expressas e uma realidade própria. Elas explicam que “o ambiente rural preserva as redes sociais de parentesco, constitui laços com o espaço geográfico e com a memória local”. Por outro lado, o acesso ao serviço de saúde pode estar comprometido nessa região e isto pode refletir na qualidade de vida do idoso.

As enfermeiras informam que o Brasil é o oitavo país em número de idosos, com cerca de 21 milhões de pessoas com 60 anos ou mais, representando 11,3% da população brasileira. Além disso, estima-se que os idosos somarão dois bilhões de pessoas no mundo até 2050 e eles residirão, em sua maioria, nos países desenvolvidos, afirmam. “O envelhecimento populacional repercute em vários setores sociais, dentre eles a saúde, tendo em vista o aumento da frequência das doenças crônicas”, dizem no artigo.

Em relação à osteoporose, as autoras informam que a doença é um problema crescente na saúde pública devido a sua associação ao incremento da mortalidade e das dependências. “A osteoporose é uma doença metabólica do tecido ósseo, caracterizada pela perda gradual de massa óssea, ocasionando a deterioração da microarquitetura tecidual, que se torna mais frágil e suscetível a fraturas”, explicam. As pesquisadoras revelam que uma das consequências da doença pode ser a ocorrência de fraturas que, por sua vez, diminuem a qualidade de vida do idoso e afetam sua capacidade de realização de atividades cotidianas e básicas.

Durante o estudo, as autoras observaram que o perfil de sexo feminino entre 60 e 70 anos, casada, com quatro a oito anos de estudo e renda de um salário mínimo foi predominante. Além disso, aposentados por idade, donas de casa, pessoas com regular satisfação das necessidades, casa própria quitada e que moravam com o cônjuge foram perfis em evidência na pesquisa. Elas notaram que os menores escores associaram-se ao maior número de morbidades, à ausência de escolaridade e a menor idade.

Para as pesquisadoras, há necessidade de ações de acompanhamento e monitoramento das condições de saúde desta população que visem minimizar os impactos que a osteoporose pode criar na qualidade de vida. Elas revelam que “os menores escores no domínio meio ambiente e facetas autonomia e participação social evidenciam a necessidade de estabelecer medidas conjuntas entre profissionais de saúde, idosos e familiares para possível adaptação do ambiente”. Segundo as autoras, os serviços de saúde podem estabelecer parcerias e ações intersetoriais com intuito de ampliar as oportunidades de participação social do idoso em atividades comunitárias no espaço rural.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MIRANDA
PMA captura tamanduá-bandeira em residência no centro da cidade, o terceiro em 15 dias
EDUCAÇÃO
Vestibular da UEMS está com inscrições abertas até dia 24
JUSTIÇA
Piscina rachada dentro da garantia gera indenização ao comprador
TRÁFICO
Polícia Militar de Camapuã apreendeu drogas em conjunto com a PRF