Menu
Busca quarta, 30 de setembro de 2020

Dourados tem 35 estupros em oito meses

02 setembro 2011 - 13h00
Crimes atingem crianças e adolescentes. Creas oferece todo o atendimento às vítimas e às famílias

O Progresso

A cidade de Dourados registrou 35 casos de estupros contra crianças nos últimos 8 meses. Somente de junho a agosto foram 16 estupros, sete casos de violência física e 40 de trabalho infantil. Os números são de atendimentos do Centro de Referência Especializada de Assistência Social (Creas), que presta assistência às vítimas.

De acordo com a coordenadora do Creas, a pedagoga Marísia de Paula Brandão Martins, geralmente as vítimas têm entre 7 a 10 anos e a maioria dos agressores são pessoas próximas às vítimas. “São parentes ou vizinhos, que atraíram as crianças com doação de dinheiro, doces, brinquedos e até alimentos”, diz, lembrando que nos últimos cinco anos, em Dourados, a criança mais nova vítima de violência sexual tinha 2 anos quando foi abusada. O agressor foi o próprio pai.

Marísia acredita que com o avanço e maior acesso a internet, os números de crimes sexuais como a pedofilia, por exemplo, aumentaram 10% nos últimos anos. Segundo ela, este acréscimo nas denúncias está relacionado a conscientização das pessoas. “Em todas as nossas campanhas levamos muitas informações sobre a importância de se denunciar e como fazer isto”, disse.

O Creas oferece em Dourados todo o atendimento às vítimas e familiares de crianças e adolescentes que sofreram violência. São psicólogos, advogados entre outros profissionais disponibilizados o tempo que for necessário, para reintegrar a criança à sociedade e protege-la de agressões.

Outra preocupação do Creas é o crescente registro de estupros ou violência contra idosos. Segundo informações, são cerca de 3 denúncias diárias de maus tratos, seja de forma psicológica ou ameaças. Para conter os crimes, o Creas realiza campanhas durante o ano. Em outubro faz ações específicas de combate à violência contra crianças. Em Dourados o telefone para denúncias é: 0800 647 0444.

MP

Conforme o Ministério Público Estadual as aldeias concentram o maior número de ocorrências de crimes sexuais envolvendo crianças. Segundo a promotora de infância, Fabrícia Barbosa de Lima, de toda a demanda de denúncias cerca de 90% é na reserva. Tratam-se de casos de estupros.

O grande gargalo para se prevenir este tipo de crime é o choque cultural. “Os pais acabam consentindo que as filhas casem e tenham filhos logo que menstruam.

Muitas vezes elas são crianças ainda. O ECA [Estatuto da Criança e do Adolescente] é claro ao afirmar que a relação sexual contra menores deve ser encarada como estupro, mesmo com consentimento”, alerta.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SEGURANÇA PÚBLICA
Equipe do GSI da Presidência da República discute segurança nas regiões de fronteira com integrantes da Sejusp
NOTÍCIAS
Consulta pública da segunda etapa do Planejamento Estratégico 2021-2026 termina dia 2
NOTÍCIAS
Ministros da Agricultura e Meio Ambiente confirmam ida ao Pantanal
SAÚDE
SES atualiza número de leitos clínicos e de UTIs Covid-19 em MS