Menu
Busca segunda, 28 de setembro de 2020

Lenda na fronteira,“Zé Tatuagem” é recapturado após 5 anos de fuga

Lenda na fronteira,“Zé Tatuagem” é recapturado após 5 anos de fuga

30 dezembro 2011 - 09h50
Agazetanews

A Polícia Militar capturou, na noite dessa quinta-feira, 29 de dezembro, em Amambai, José Antônio de Souza Pinto, o “Zé Tatuagem”, de 36 anos.

Zé Tatuagem, que fugiu do regime semiaberto do EPAM (Estabelecimento Penal de Amambai) no final do mês de novembro de 2006, figurava como um dos criminosos mais procurados pela polícia na região de fronteira entre Brasil e Paraguai, no sul do Estado, em Mato Grosso do Sul.

Responsável, segundo a polícia, por dezenas de furtos e roubos de veículos na região, onde inclusive teria liderado grupos de assaltantes, Zé Tatuagem tinha em seu desfavor pelo menos dois mandados de prisão em aberto na Comarca de Amambai e um na Comarca de Ponta Porã. Ele também já teve passagem pela Justiça do Paraná pelo crime de homicídio e estaria sendo procurado pela Justiça do Paraguai, país onde permaneceu escondido e, segundo a polícia, coordenando roubos de carro, sobretudo de caminhonetes, por vários anos após fugir do presídio em Amambai.

A Prisão

Segundo a Polícia Militar, Zé Tatuagem, apelido que recebeu na cadeia por conta das várias tatuagens cravadas no corpo, foi preso depois de levantamentos realizados por equipes da 3ª Companhia Independente de Polícia Militar, com sede em Amambai.

De acordo com a PM, informações davam conta que o acusado estaria passando as festividades de fim de ano na casa de familiares em Amambai.

Diante da situação os PMs passaram a fazer o monitoramento e após novas informações, descobriram que José Antônio estava passando a noite no sitio de familiares na região da Vila Santo Antônio em Amambai.

Diante da situação, a Polícia Militar realizou um cerco à residência e efetuou a prisão de Tatuagem. Segundo a polícia, ao ser abordado, Zé Tatuagem, que estava com a fisionomia bastante mudada em relação a época que fugiu do presídio em Amambai, não esboçou reação.

No ato da prisão Zé Tatuagem teria relatado aos policiais que após passar a ser procurado também pela Justiça do Paraguai, ele teria fugido para a Bolívia, onde permaneceu até resolver regressar a Amambai para visitar os familiares.

Entre os vários atos criminosos atribuídos a Zé Tatuagem está a morte do produtor rural, Ibrahim Cezar da Rosa de Oliveira, o “Ibrahim Sutil”, como era conhecido, ocorrida em 2006 em Amambai.

O produtor rural foi morto na garagem de sua residência quando chegava em casa com a namorada e um filho menor de idade.

Ele teria sido abordado por dois homens armados que teriam anunciado um assalto, mas a vítima teria reagido.

Levantamentos realizados pela Polícia Civil na época apontaram dois paraguaios que cumpriam pena no regime semiaberto do EPAM como sendo os autores do crime. Eles haviam fugido do presídio dois dias antes do assalto frustrado, já que após atirarem contra Sutil, fugiram sem levar nada.

Segundo as investigações, Zé Tatuagem teria sido um dos articuladores do assalto e inclusive teria dado R$ 50 reais para a dupla se manter na cidade até armar a emboscada. Zé Tatuagem nega as acusações.

Lenda do mundo do crime, Zé Tatuagem diz ser vítima

Em entrevista exclusiva ao grupo A Gazeta de comunicações, na manhã dessa sexta-feira (30), José Antônio de Souza, o “Zé Tatuagem”, nega a maior parte dos crimes aderidos a ele.

Segundo o acusado, de fato ele cometeu erros e delitos, mas não tantos como se diz, fator que acabou o transformando em uma lenda do mundo do crime na fronteira.

De acordo com Zé Tatuagem, quando foi preso pelo DOF (Departamento de Operação de Fronteira) em 2005 pelo crime de porte ilegal de armas, tinham em seu desfavor, cinco acusações por assalto a mão armada, mas ele teria sigo absolvido em todos os casos por falta de provas.

Segundo Zé Tatuagem, ele chegou a trabalhar com João Morel, mas essa fama de líder do crime, principalmente em relação a roubos, teria surgido quando ele acabou se envolvendo e trabalhando com “os cariocas” como ele chamada o narcotraficante “Fernandinho Beira-Mar” e seus seguidores.

“Muitas coisas colocam nas minhas costas. Cometi erros, mas nunca fiz a maior parte das coisas que me acusam”, disse Zé Tatuagem que afirma ter vindo para Amambai para se entregar à polícia, feito que deveria ocorrer, segundo ele, na próxima segunda-feira, dia 2 de janeiro.

“Quero pagar pelos erros que cometi. Pelos que cometi apenas e não pelos que me acusam de ter cometido”, finalizou Tatuagem, que segundo a Polícia Militar, durante o final de semana passado, supostamente teria fugido de uma equipe da PM no centro da cidade, quando dirigia um veículo.

Apesar de negar participação em vários assaltos aderidos a ele, Zé Tatuagem teria sido reconhecido por vítimas, segundo a polícia, por conta de uma tatuagem de um escorpião que tem no pescoço, lado direito.

Segundo a polícia ele estava tentando remover a tatuagem, mas ainda existe sinais da gravura na pele.

Depois de preso, na noite dessa quinta-feira, Zé Tatuagem foi levado para a Delegacia de Polícia Civil de Amambai, posteriormente encaminhado ao EPAM onde deverá permanecer preso no regime fechado à disposição da Justiça.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍCIA
Comerciante morre em acidente na MS-276
BRIGA
Por conta de dívida, homem e mulher brigam no meio da rua e arremessam um contra o outro blocos de concretos e garrafas
GERAL
Pedidos de educação indígena aumentaram 500%, afirma Funai
POLÍTICA
Campanha das eleições municipais começa neste domingo