Menu
Busca quarta, 25 de novembro de 2020

Pistoleiros usaram armas com balas de borracha em ataque a acampamento, mas não há informações sobre mortes

Pistoleiros usaram armas com balas de borracha em ataque a acampamento, mas não há informações sobre mortes

19 novembro 2011 - 07h50
Mercosulnews

O índio guarani-kaiowá Nício Gomes, de 59 anos, líder de um grupo índios desaldeados, está desaparecido desta a manhã de hoje, após ser seqüestrado por um grupo de homens armados que atacou um acampamento indígena próximo ao Posto Tagi, na MS-386, no município de Aral Moreira. As primeiras informações eram de que teria ocorrido uma chacina e que três índios haviam morrido, o que não foi confirmado pelas autoridades policiais.

No dia 1º de novembro um grupo de aproximadamente 60 indígenas saiu de Amambai e acampou próximo à fazenda Ouro Verde, na estrada que demanda a Aral Moreira, imediações do Posto Tagi, na MS-386. A área estaria protegida por interdito proibitório desde 2007, segundo informações da Funai e as terras estariam sendo arrendadas por um produtor rural conhecido por Luís Antônio.

Depois de estabelecer acampamento, os índios adentraram a propriedade e começaram a plantar. Esta manhã, por volta das 5h30min, quando faziam a ‘reza’ diária, surgiram cerca de 30 a 40 homens fortemente armados, em várias caminhonetes, que teriam descido gritando “vem aqui indiada”. Em seguida deram início ao tiroteio. A munição usada pelos desconhecidos era de borracha.

Em meio aos disparos, o líder dos índios, o kaiowá Nício Gomes, teria sido atingido por um disparo na cabeça e foi erguido em uma das caminhonetas, sendo levado pelos desconhecidos. Um dos filhos de Nício, o adolescente J.V.G., de 14 anos, recebeu disparos no rosto, mas conseguiu fugir em companhia de outros indígenas para o meio da mata. Os índios ficaram escondidos até a chegada da polícia.

Agentes da Polícia Civil, Polícia Federal e representantes do Ministério Público Federal (MPF) e da Funai (Fundação Nacional do Índio) foram à fazenda. A PF isolou a área e não permitiu a entrada da imprensa e nem da Funai até a conclusão da perícia. Os jornalistas ficaram às margens da rodovia, a 5 quilômetros do local do incidente.

O adolescente ferido foi encaminhado ao Hospital Regional de Ponta Porã com um ferimento no nariz e passou por exame de corpo delito. Até o momento não há informação de mortes. Segundo a Funai, que ouviu alguns índios no local, três índios encontram-se desaparecidos, entre eles o líder do grupo, Nício Gomes.

Deixe seu Comentário

Leia Também

HEMOSUL
Aumentar doações de sangue na pandemia é principal desafio no Dia Nacional do Doador
SAÚDE
Coronavírus continua em expansão no Estado, com mais de 900 casos confirmados em apenas 24 horas
ECONOMIA
Comitê define fator para ajuste de preços de medicamentos em 2021
EM JANEIRO
Alunos são convocados para retomar aulas presenciais do Curso de Formação Policial para Escrivães