Menu
Busca sexta, 23 de outubro de 2020
Faculdade columbia
CAMPO GRANDE

Polícia Civil prende Guarda Civil Metropolitano por porte ilegal de arma de fogo e crime ambiental

03 setembro 2020 - 12h30Por PC-MS

Na tarde de quarta-feira (02), a Polícia Civil, através do o S.I.G. (Setor de Investigações Gerais), prendeu em flagrante um servidor público municipal de Campo Grande de 42 anos, suspeito de praticar os crimes de porte ilegal de arma de fogo e caça ilegal de animais silvestres.

Agentes receberam denúncia anônima sobre um indivíduo de 56 anos, residente no bairro São Sebastião, que teria caçado uma anta e estaria carneando o animal em sua residência. Além disso, essa pessoa teria usado espingarda para a realização da caça.

De posse dessas informações, os investigadores, acompanhados do delegado, deslocaram-se imediatamente a uma residência no referido bairro, questionando esse homem a respeito das denúncias anteriormente recebidas.

O senhor de 56 anos admitiu a caça ilegal, dizendo que teria sido feita no dia anterior, mas negou ser proprietário de quaisquer armas de fogo. Ele relatou aos policiais civis que caçou uma anta juntamente com um comparsa de 42 anos, que exerce a função de Guarda Civil Metropolitano (GCM) em Campo Grande, e que a espingarda utilizada na caça seria de propriedade do guarda municipal.

Perguntado onde o guarda poderia ser encontrado, esse senhor indicou à equipe policial uma chácara distante uns 5 km da zona urbana. A equipe se deslocou até o imóvel, e localizaram o suspeito.

O GCM admitiu que estava caçando juntamente com seu amigo de 56 anos no dia anterior. Ele entregou à Polícia a arma utilizada na caça, que era uma espingarda de calibre .28, sem registro, bem como o animal carneado. Ele ainda portava um revólver de calibre .38, pertencente à sua corporação, além de munições desse mesmo calibre, tendo o porte dessa arma em específico.

Diante dos fatos, o guarda civil metropolitano recebeu voz de prisão por porte ilegal de arma de fogo e caça ilegal de animais silvestres, sendo conduzido à Delegacia para as providências cabíveis.

Não foi arbitrada fiança ao guarda civil, sendo que ele deverá ser transferido à carceragem da 3ª Delegacia de Polícia Civil de Campo Grande, local em que permanecerá à disposição da Justiça. O homem de 56 anos, que era comparsa do guarda, por não se encontrar em situação de flagrante delito, irá responder ao procedimento criminal em liberdade.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
BRASIL Pix poderá ser usado para recolhimento do FGTS
JUSTIÇA
Construtoras devem indenizar cliente por atraso na entrega de imóvel
COSTA RICA
Adolescente é apreendido com crack e cocaína pela Polícia Civil
POLÍTICA
Bolsonaro nomeia Kassio Nunes Marques como ministro do STF