Menu
Busca terça, 26 de janeiro de 2021

Polícia fecha inquérito e assassinos de estudantes responderão por sete crimes

13 setembro 2012 - 00h00Por Fonte: Midiamax
A Polícia Civil conclui nesta terça-feira (11), o inquérito do assassinato dos jovens Breno Luigi Silvestrini, 18 e Leonardo Batista Fernades, 19, executados a sangue frio, durante um latrocínio na noite do último dia 30 (quinta-feira) após serem abordados em frente ao Bar 21, em Campo Grande.

Os autores sequestaram os jovens que estavam em um veículo Pajero, no intuito de trocarem a caminhonete por 3 quilos de cocaína, na fronteira de Corumbá com a Bolívia.

Dayane Aguirre Clarindo, 25, o marido dela, Rafael da Costa Silva, 22 anos, apontado como autor dos disparos; Weverson Gonçalves Feitoza, 22 anos, conhecido como "japinha"; Raul Andrade Pinho, 18, e um adolescente infrator de 17 anos, irmão de Rafael foram indiciados. Uma sexta pessoa envolvida no crime, que teria a função de vender a caminhonete já foi identificado, e teve a prisão preventiva decretada.

Eles responderão por latrocínio agravado pelo concurso de pessoas, uso de arma de fogo, sequestro, tentativa de passagem de veículo para outro país, formação de quadrilha, corrupção de menor e ocultação de cadáver.

De acordo com a delegada Maria de Lourdes da Delegacia Especializada em Repressão a Roubos e Furtos de Veículos (Defurv), só o crime de latrocínio com agravante, pode resultar em 25 anos de prisão.

Crime

Os dois jovens foram abordados por volta das 20h e foram assassinados no macroanel próximo à saída para Rochedo.

Depois Weverton, Daiane e Rafael seguiram com a Pajero, que é de propriedade da mãe de um dos jovens, e por volta das 23h passaram no posto da PRF Guaicurus, na BR-262 a cerca de 55 km de Miranda. Depois seguiram até a ponte sobre o Rio Paraguai, mas não tinham dinheiro para pagar pedágio e então resolveram voltar.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Brasil tem quase 30 mil novos casos de hanseníase por ano
CONTRABANDO E CRIME AMBIENTAL
Goiano é autuado pela PMA e preso por Policiais Militares com agrotóxicos do Paraguai
JUSTIÇA
Estudante que ficou três anos sem diploma será indenizada
CASSILÂNDIA
Polícia Militar prende mulher por agredir marido