Menu
Busca domingo, 18 de agosto de 2019
INOCÊNCIA VIOLADA

Polícia ivestiga se presos tinham 'grupos específicos' no Whatsapp de pornografia infantil

06 fevereiro 2019 - 15h00Por Luiz Guilherme

Dando continuidade aos detalhes da operação Inocência Violada, desencadeada pela PF (Polícia Federal) em cinco cidades de MS (Mato Grosso do Sul) nesta quarta-feira (6/2), os agentes estão investigando agora se os presos tinham 'grupos específicos' no Whatsapp. 

Segundo o delegado Fernando Rocha, responsável pelas investigações, esta é a próxima fase da operação.

"Temos um sistema que faz um monitoramento e que podem desencadear em novas operações, neste sentido. A investigação também deve apontar se algum deles mantinha grupos específicos no WhatsApp. Durante as buscas hoje, os peritos fizeram uma análise prévia e encontraram imagens e vídeos de sexo, envolvendo crianças e adolescentes", explicou Rocha.

De acordo com reportagem publicada no G1 MS, o sistema adotado pela PF, que localiza endereços onde está ocorrendo o crime, mantém a integridade das provas, assim que os agentes apreendem os aparelhos com pornografia infantil.

"Infelizmente a pornografia infantil ainda se repete e causa danos emocionais e psíquicos para as vítimas, que são submetidas a abusos de toda sorte. Nosso combate é naqueles que produzem material para a rede mundial de computadores, bem como aqueles que armazenam ou compartilham. E é uma ação de suma importância para Mato Grosso do Sul, já que atacamos o destino final", ressaltou o delegado Fabrício Martins Rocha, da Delegacia Regional de Combate ao Crime Organizado (Deco).

Inocência Violada

A ação da PF contou com 44 agentes, que cumpriram 11 mandados de busca e apreensão em Campo Grande, além dos municípios Chapadão do Sul, Jardim, Miranda e Naviraí. Cada um deles, conforme a investigação, tinha cerca de 300 arquivos de material ilícito, tanto no celular, como em CD's e computadores.

Os presos eram monitorados há 10 meses e foram identificados como: um militar da reserva da marinha, de 65 anos, um comerciante de 40 anos, um assistente de serviços gerais de 29 anos e um servidor público estadual, de 49 anos. Outro suspeito foi preso no decorrer das investigações.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Laudo sugere que cacique indígena morreu afogado
POLÍTICA
Projetos avançam em Brasília com ministros empenhados em trabalhar pelo MS, diz Murilo Zauith
BRASIL
Governo lança projeto para estimular empreendedorismo nos jovens
POLÍCIA
Contrabandistas são presos com cigarro e inseticida na MS-162