Menu
Busca quinta, 27 de junho de 2019
POLÍTICA

MS pretende reativar Plano de Demissão Voluntária

04 janeiro 2019 - 15h15Por Da Redação

Está em formatação no governo de Mato Grosso do Sul a retomada de Plano de Demissão Voluntária (PDV) dos servidores. O estudo começou a ser feito em dezembro, como forma de atender a meta da administração estadual de cortar gastos. Hoje a folha total de pagamentos é de R$ 452,8 milhões, referente a 75 mil servidores ativos e inativos.

O ex-secretário de Administração e Desburocratização, Carlos Alberto Assis, que iniciou o estudo, disse segundo o Campo Grande News, que a reformulação está sendo feita com base na legislação de outros Estados e do governo federal.

A ideia é atualizar a lei nº 1.747, de 15 de maio de 1997, instituída no governo Wilson Barbosa Martins para reduzir o principal gasto do governo, a folha de pagamento. 

De acordo com a matéria, o foco é fazer com que o governo estabeleça equilíbrio e se afaste do limite prudencial de gastos instituído pela LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal). Em setembro de 2018, a adminsitração estadual divulgou relatório em que apontava gastos totais com pessoal em 48% da RCL (receita corrente líquida, o total das receitas estaduais descontadas obrigações constitucionais –como repasses a municípios). O limite máximo da LRF é de 49% dessa receita, enquanto o prudencial é de 46,55%; o de alerta, 44,1%.

Assis disse que ainda é muito cedo para traçar um perfil dos servidores que serão enquadrados na reformulação da lei. Do total, cerca de 55 mil são servidores ativos.

O projeto também deve atualizar a forma de pagamento a ser aplicada. Na legislação de 1997, a indenização prevista era paga em parcela única, no prazo de até oito dias úteis da publicação em Diário Oficial. A indenização acrescida ao valor calculado do tempo de trabalho e férias variava de 25% a 15%, conforme a data de adesão.

O estudo, agora, está sob responsabilidade do Secretário Estadual de Administração, Roberto Hashioka e não há informação de prazo para entrega desta reformulação, a ser votada na Assembleia Legislativa.

O presidente da Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação em Mato Grosso do Sul), Jaime Teixeira, disse que a entidade é contra qualquer plano de demissão voluntária ou incentiva. “É sempre uma forma do governo de fazer demissão em massa em forma disfarçada em plano de ajuda”. A federação representa 14 mil servidores, entre professores e profissionais da administração.

O presidente do Sindicato dos Policiais Civis em MS, Giancarlo Miranda, que também faz parte da coordenação do Fórum dos Servidores, acredita que o PDV seja inviável para o setor de segurança, segundo ele, historicamente deficitário. Atualmente, estão em atividade 2 mil policiais, sendo que o ideal seria de 4,5 mil. “Não tem como discutir PDV onde falta gente”.

Miranda acredita que a atualização da lei precisa ser discutida com todas as categorias, sendo  necessário consenso da viabilidade. “É preciso ser avaliada em conjunto e não encaminhar projeto para Assembleia sem participação dos sindicatos”. O Fórum dos Servidores congrega 15 sindicatos, representando cerca de 40 mil servidores públicos estaduais

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
CCJ do Senado aprova texto que criminaliza abuso de autoridade
OPERAÇÃO KRIMOJ
Facção abrigava parentes de presos e ‘irmãos’ em casas e mansão na Capital
PONTA PORÃ
Polícia apreende caminhonete lotada com 1,3 tonelada de maconha
CONTRABANDO
Após fuga, casal que transportava R$ 90 mil em eletrônicos é capturado