Menu
Busca quinta, 02 de julho de 2020

Após encontro, Dilma e Temer dizem que manterão relação 'institucional'

Após encontro, Dilma e Temer dizem que manterão relação 'institucional'

10 dezembro 2015 - 07h30Por G1
Após se reunirem por cerca de uma hora na noite desta quarta-feira (9), no Palácio do Planalto, a presidente Dilma Rousseff e o vice Michel Temer afirmaram – ela em nota oficial e ele, em entrevista –, que manterão, de agora em diante, uma relação "institucional.

O encontro da noite desta quarta foi o primeiro entre os dois após Temer enviar a Dilma, na última segunda (7), uma carta na qual abordou suposta desconfiança dela em relação a ele e ao PMDB (leia aqui a íntegra). Naquele mesmo dia, em entrevista no Planalto, ela havia reforçado que não desconfia dele "nem um milímetro".

Na mensagem, o peemedebista elencou 11 razões para acreditar que a presidente não confia nele. O vazamento do conteúdo gerou mal-estar e houve repercussão política.

"Combinamos, e eu a presidenta, que teremos uma relação pessoal institucional e a mais fértil possível", limitou-se a dizer o vice-presidente após a audiência com Dilma.

"Na nossa conversa, eu e o vice-presidente Michel Temer decidimos que teremos uma relação extremamente profícua, tanto pessoal quanto institucionalmente, sempre considerando os maiores interesses do país", declarou a presidente, na nota divulgada à imprensa.

Ao Jornal Nacional, assessores de Temer afirmaram que, no encontro, o peemedebista e a presidente Dilma decidiram que o tema do impeachment não será mais abordado em conversas entre os dois.

Além disso, o vice-presidente, segundo assessores, teria dito que não fará declaração pública de apoio ao governo, mas se comprometeu a não vai trabalhar a favor do afastamento da petista do Palácio do Planalto.

Após o encontro, os dois seguiram para as respectivas residências oficiais. Dilma se dirigiu ao Palácio da Alvorada e Temer, ao do Jaburu.

O vazamento da carta enviada pelo vice a DIlma gerou mal-estar na sede do governo. O vice queixou-se de que a mensagem, segundo ele de cunho pessoal, teria sido vazada pela presidente. Interlocutores de Dilma, no entanto, atribuíram o vazamento à Vice-presidência.

Em Brasília, a leitura foi que, com o comunicado, o vice-presidente sinalizou o rompimento dele com o governo. A mensagem gerou intensa repercussão política na capital federal.

Na tentativa de minimizar a crise política no palácio, o ministro da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini, afirmou que "não existe razão para se apostar em rompimento" entre a presidente e o vice.

Conforme o Blog do Camarotti, contudo, o clima entre os interlocutores da presidente Dilma com a carta era de "grande indignação" e "contrariedade". Ainda segundo o blog, a mensagem do vice foi tida como um sinal de rompimento entre os dois.

Ao comentar o conteúdo da carta, o presidente do Congresso Nacional, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), avalio que a mensagem teve cunho "pessoal de desabafo". Enquanto isso, o vice-líder do governo na Câmara, deputado Silvio Costa (PE), disse que a carta foi "inoportuna" e a classificou como "desserviço ao Brasil".

Jantar

Após o encontro de cerca de uma hora com Temer, Dilma seguiu para o Palácio da Alvorada, residência oficial, onde jantou com os ministros Jaques Wagner (Casa Civil), Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo) e José Eduardo Cardozo (Justiça), três de seus principais conselheiros políticos e responsáveis pela articulação política do Planalto.

A carta
Em um dos trechos do documento, Temer disse à presidente que sempre teve ciência da "absoluta desconfiança" dela e de seu entorno em relação a ele e ao PMDB, partido do qual ele é presidente nacional.

"Desconfiança incompatível com o que fizemos para manter o apoio pessoal e partidário ao seu governo", escreveu.

"Sei que a senhora não tem confiança em mim e no PMDB, hoje, e não terá amanhã. Lamento, mas esta é a minha convicção", disse o vice à presidente, em outro trecho da mensagem.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Secretaria de Saúde confirma novos óbitos e mortes por coronavírus somam 89 em Mato Grosso do Sul
GERAL
Governo prorroga restrição para entrada de estrangeiros no Brasil
PONTA PORÃ
Paciente do Hospital Regional recebe alta após 11 dias de internação para tratar da Covid-19
TRABALHO PARLAMENTAR
Emenda de Neno Razuk viabiliza compra de UTI móvel em Dourados