Menu
Busca quinta, 06 de agosto de 2020

Aluna morta por professor era perseguida e assediada

02 outubro 2011 - 10h23


A estudante Suênia Sousa Farias, 24 anos, morta na sexta-feira pelo professor de Direito Rendrik Vieira Rodrigues, era perseguida e assediada cotidianamente pelo ex-namorado, segundo a irmã da vítima, Cileide Farias, 30 anos. Apesar disso, a universitária acreditava que conseguiria interromper a perseguição que sofria sem ter de recorrer à polícia.

"Ela achava que iria conseguir contornar a situação. Não pensava em ir à Delegacia da Mulher. Quando foi pega, tentou pedir socorro, mas não conseguiu", relembra Cileide, ao velar a irmã caçula na capela de número 2 do cemitério de Taguatinga, região metropolitana de Brasília.

"Ele ficava mandando mensagens. Agora, depois de tudo, quando bati o olho nela no IML, caiu a ficha. Com fé em Deus ele paga pelo que fez", disse.

De acordo com a Polícia Civil, a estudante foi abordada pelo professor na saída da aula de sexta-feira, e ambos entraram no carro da vítima. Ainda conforme relato da polícia, Suênia teria ligado para o marido afirmando que reataria o relacionamento com o professor. Desconfiado pelo tom da voz da mulher, o marido, Hélio Prado, registrou um boletim de ocorrência na 12ª Delegacia de Polícia.

Enquanto estava em poder do professor, Suênia foi baleada três vezes, duas na cabeça e uma no tórax. Rendrik se entregou ainda na sexta na 27ª Delegacia de Polícia, no Recanto das Emas. Ele foi demitido da UniCEUB, onde lecionava.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
Agentes prisionais tiveram saúde mental abalada na pandemia
Pesquisa mostra que tensão entre os presos é um dos motivos
SAÚDE
MP destina R$ 1,99 bilhão para viabilizar vacina contra covid-19
TRÊS LAGOAS
Polícia Militar Ambiental captura jiboia em condomínio
NOTÍCIAS
Paraguai prevê reabertura de lojas da fronteira em setembro
Ministro de Relações Exteriores diz que conversa está avançada com governo brasileiro