Menu
Busca domingo, 17 de janeiro de 2021

‘Ensino jurídico precisa melhorar’, diz OAB sobre índice de aprovação

‘Ensino jurídico precisa melhorar’, diz OAB sobre índice de aprovação

17 agosto 2012 - 14h50
Diario MS


O índice de aprovação no Exame da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) em Mato Grosso do Sul preocupa a seção estadual da entidade. Dos 2413 inscritos para a prova realizada neste meio de ano, apenas 13,46% passaram pelas duas fases e foram aprovados. Presidente da Ordem no Estado, Leonardo Duarte disse que esse resultado está pouco abaixo da média nacional, mas reconheceu que é “um indicativo de que o ensino jurídico precisa melhorar com urgência”.

“Esse índice se manteve padrão no Estado, sempre oscilou em 20%, mas nesse exame que é de meio de ano a aprovação é historicamente um pouco mais baixa”, informou o presidente da OAB-MS. Duarte ainda explicou que a média nacional não passou de 15% na mais recente avaliação.

Dentre as universidades instaladas em território sul-mato-grossense, os melhores resultados foram obtidos pela UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) – campus Campo Grande – e UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados). Elas alcançaram, respectivamente, 41,54% e 31,82% de aprovação.

O presidente da OAB-MS creditou os índices abaixo de 50% por causa da polarização do ensino de Direito no Estado. Segundo ele, isso faz com não haja grandes concentrações de bons estudantes numa única unidade de ensino superior. Além disso, o representante de classe considera que os resultados deixam a desejar em consequência de um ensino básico deficitário no país.

“Principalmente o ensino médio está muito ruim; o acadêmico chega na faculdade sem saber interpretar e redigir texto e a faculdade não corrige isso”, afirma. Essa é a explicação que ele apresentou para a diferença de aprovações nas duas fases do Exame. Na 1ª, que teve 2370 presentes e 922 aprovados, caem “questões mais decoreba”, segundo Duarte. Na 2ª, são exigidas redações (foram 915 presentes e 319 aprovados).

De acordo com Leonardo Duarte, a entidade tem feito um acompanhamento das instituições de ensino superior para garantir a qualidade dos cursos de Direito. “Esse índice é um indicativo que o ensino jurídico precisa melhorar com urgência e isso depende também dos estudantes e não só das faculdades”, alerta.

Coordenador do curso de Direito da UFGD, Douglas Policarpo concorda com o posicionamento da OAB-MS. Para ele, é difícil sanar todas as dificuldades enfrentadas pelos estudantes durante a faculdade. “No nosso caso fazemos cursos internos, de interpretação de texto e argumentação jurídica”, relata.
Policarpo considerou o resultado da UFGD positivo, mas pontuou a necessidade de melhorias. “Esse índice é um importante mecanismo de análise do curso; se o aluno não for bem aprovado, temos que adequá-lo”.

O campus de Dourados da Uems obteve índice de 25% de aprovação. Já a Unigran (Centro Universitário da Grande Dourados) obteve 12,86%. Os menores percentuais ficaram por conta da UCDB (Universidade Católica Dom Bosco) de São Gabriel do Oeste e Facinan (Faculdade de Ciências Contáveis de Nova Andradina). Ambas figuram no levantamento com 0%.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Técnicos da Anvisa recomendam uso emergencial da vacina de Oxford
EDUCAÇÃO
Enem 2020: confira hoje a correção das provas ao vivo
BRASIL
Mesmo com vacina, vitória sobre coronavírus passa por 'mudança de comportamento social'
Antônio Barra Torres deu declaração ao abrir reunião da Anvisa que analisa pedidos de uso emergencial de duas vacinas contra Covid-19
SAÚDE
Ocupação de leitos em UTI Covid continua alta nas cinco macrorregiões do Estado