Menu
Busca quarta, 30 de setembro de 2020

Risco de quebra nos EUA é maior do que antes da crise

01 setembro 2011 - 09h55Por Claudia Antunes
O risco de quebra do sistema financeiro dos EUA ainda é maior do que antes da crise iniciada com a falência do banco Lehman Brothers, em 2007, advertiu Robert Engle, que ganhou o Nobel de Economia em 2003 por cálculos que permitem prever o retorno de investimentos.

"A alavancagem não foi reduzida nem para os níveis anteriores à crise", disse, referindo-se à relação entre o dinheiro que está emprestado e o capital dos bancos (quanto maior essa relação, mais risco).

Em palestra na EPGE (Escola de Pós-Graduação em Economia) da FGV do Rio, Engle apresentou as equações desenvolvidas por sua equipe na Escola Stern de Negócios da Universidade de Nova York para medir o risco sistêmico de instituições financeiras.

As tabelas que podem ser consultadas no site http://vlab.stern.nyu.edu incluem um ranking de risco encabeçado pelos bancos Bank of America, Citibank e JP Morgan. Se houvesse outra crise bancária hoje, disse Engels, só o Citibank precisaria de US$ 200 bilhões do governo americano.

O Nobel insistiu na necessidade de regulação do mercado financeiro para evitar novas crises, e lamentou o atraso na implementação da Lei Dodd-Frank, aprovada pelo Congresso americano para aumentar a vigilância sobre os bancos.

"Faltam cerca de 500 regras que têm que ser escritas pelas agências regulatórias. Todos estão trabalhando muito duro, mas são regras complicadas e há muito lobby acontecendo."

Para o economista, o cenário político vem impedindo o governo dos EUA de adotar qualquer política forte para superar os efeitos na economia real da quebra bancária de 2007 e 2008. "Há uma parte do Partido Republicano que acha que, quanto pior a economia estiver, melhor será seu desempenho nas próximas eleições. Isso é uma receita para não haver acordo."

Engels disse que não conhece a fundo a economia do Brasil, do qual é apenas um "observador interessado". Considera que o país é um dos "milagres" da última década, em termos de crescimento, mas que não está imune a riscos. "O maior é que isso esteja acontecendo rápido demais, e que a infraestrutura e as instituições não consigam acompanhar."

Esse risco e as incertezas da situação global, recomendam que os atores econômicos brasileiros evitem a euforia. "Todo mundo, investidores, empresários, reguladores, instituições financeiras, deve se manter um pouco mais conservador."

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Justiça Federal manda soltar acusados de invadir celular de Moro
ECONOMIA
Antecipação do INSS poderá ser pedida sem limitação de distância
ECONOMIA
Déficit primário do Governo Central atinge R$ 96,1 bilhões em agosto
NOTÍCIAS
1ª Câmara Cível considera regular a devolução de bem à revendedora