Menu
Busca quinta, 22 de outubro de 2020

Senador do PR faz cobrança dura a Dilma sobre crise que derrubou Pagot

03 agosto 2011 - 11h54Por Só Notícias
O senador Blairo Maggi (PR), aliado do governo federal, fez ontem no Senado, a primeira cobrança dura a presidente Dilma Roussef sobre a crise que culminou com a saída do mato-grossense Luiz Pagot (indicado de Blairo) da diretoria do DNIT e da saída do ex-ministro Alfredo Nascimento, do Ministério dos Transportes. Blairo disse que o PR espera um esclarecimento de Dilma logo após as apurações das denúncias de corrupção no ministério e departamentos envolvendo determinadas empreiteiras que ganharam obras com verbas federais.

A presidente deve ao PR um esclarecimento. "Desejo que a presidente da República, assim que concluir o levantamento, venha a público esclarecer se houve desvio de recursos e superfaturamento ou aditivos comprados e aceitos", cobrou Blairo, deixando de lado o tom amistoso de aliado que estava tendo com a presidente. Ele expôs também que, após as denúncias contra lideranças do PR, aliados de outras siglas foram denunciados e o tratamento do governo não foi o mesmo. "Depois do PR, já dois partidos sofreram denúncias e nada foi feito.

Por que só o PR? Eu espero por parte da Presidência o mesmo tratamento que foi dado ao PR: a mesma rapidez, o mesmo jeito. Que afaste as pessoas,veja se há problema ou se não há e traga de volta aqueles que não tem problema algum."

Ele disse ainda que outros partidos da base do governo foram alvo de denúncias da imprensa nas últimas semanas, mas o PR teve um tratamento diferente. Por que só o PR? E os outros partidos? " questionou. O ataque de Blairo foi durante as explicações dadas pelo ex-ministro Alfredo Nascimento, a quem manifestou apoio.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
BRASIL Pix poderá ser usado para recolhimento do FGTS
JUSTIÇA
Construtoras devem indenizar cliente por atraso na entrega de imóvel
COSTA RICA
Adolescente é apreendido com crack e cocaína pela Polícia Civil
POLÍTICA
Bolsonaro nomeia Kassio Nunes Marques como ministro do STF