Menu
Busca domingo, 28 de fevereiro de 2021
Shopping China - Janeiro 2021
NOTÍCIAS

1ª Câmara Cível considera regular a devolução de bem à revendedora

29 setembro 2020 - 16h30Por TJMS

A 1ª Câmara Cível negou provimento ao recurso de uma indústria de máquinas agrícolas, condenada a cancelar o protesto de títulos em nome de um consumidor que comprou produto de sua fabricação, mas o devolveu na revendedora. A decisão do TJMS considerou a devolução regular e, portanto, indevida a cobrança pelo maquinário.

De acordo com o processo, um produtor rural de Maracaju adquiriu de uma empresa autorizada para revenda uma plataforma de colheita agrícola em março de 2010, mediante pagamento parcelado. Todavia, assim que recebeu o produto, verificou que se tratava de modelo diferente do que comprara, de forma que retornou à loja onde celebrara o negócio e devolveu o bem, inclusive com emissão de Nota Fiscal de Devolução. Passado cerca de um ano, porém, o agricultor foi surpreendido com uma notificação do Cartório da cidade para pagamento dos títulos emitidos para aquisição do maquinário devolvido.

Deste modo, o produtor rural ingressou com ação na justiça contra a indústria, visando o cancelamento dos apontamentos a protesto, o que foi deferido pelo juízo de primeiro grau.

Após sofrer a condenação, a requerida apresentou recurso de Apelação Cível no Tribunal de Justiça. Segundo a indústria, ela nunca foi informada da devolução da plataforma de colheita, não recebeu o bem de volta, nem qualquer valor pelo maquinário. Defendeu, igualmente, que a venda foi legítima, sendo a nota fiscal emitida em seu nome, de forma que a devolução também deveria ser feita diretamente a ela. Por fim, alegou que haveria conluio entre o produtor rural e o responsável pela empresa de revenda.

Para o relator do recurso, juiz substituto em 2º Grau Luiz Antônio Cavassa de Almeida, no caso presente é incontroversa a devolução do bem pelo consumidor à empresa autorizada pela própria indústria para revenda de seus bens.

“Desse modo, ao revés de que sustenta a apelante, não vislumbro qualquer irregularidade na devolução do bem pelo apelado, pois, como dito, além de ter sido a responsável pela comercialização, trata-se da revenda autorizada da apelante em Maracaju”, frisou.

Assim, para o julgador, uma vez regular a devolução do bem, indevida a cobrança do pagamento por ele. “Se houve conluio da revendedora ao repassar a plataforma de milho para terceira pessoa, tenho que deve a apelante buscar os meios legais para reaver o bem ou receber pelo mesmo”, concluiu.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Saiba como descobrir se seus dados pessoais estão sendo utilizados por terceiros
PONTA PORÃ
Polícia Militar apreende droga que seria leva até a cidade de Três Lagoas
GERAL
Amazonia 1 chega à órbita com sucesso e inicia transmissão de dados
LOTERIA
Mega-Sena sai para um apostador que ganha 49 milhões