Menu
Busca quarta, 25 de novembro de 2020

Hugleice diz que foi obrigado a confessar caso com Maryelli

Hugleice diz que foi obrigado a confessar caso com Maryelli

06 dezembro 2011 - 13h00
Campograndenews

Após ter confessado que mantinha um relacionamento com a cunhada Marielly Barbosa Rodrigues, de 19 anos, morta após um aborto mal sucedido, Hugleice da Silva mudou a versão inicial e, agora, alega que nunca teve nem um envolvimento com ele e que foi obrigado a confessar isso.

Essa é a linha de defesa que o advogado José Roberto da Rosa utilizará durante as audiências e o possível julgamento. “É isso que ele sustenta para mim, então é com essa linha que eu vou trabalhar”, diz.

Ao ser questionado se Hugleice também alegava inocência no envolvimento com o aborto, já que durante as investigações da Polícia, ele foi apontado como a pessoa que levou a jovem até a casa do enfermeiro Jodimar Ximenes Gomes, em Sidrolândia, onde o procedimento foi realizado, o advogado esquivou-se e alegou que “não pode entrar nesses detalhes porque eles ainda serão analisados”.

Hugleice, casado com a irmã de Marielly, compareceu à audiência realizada ontem, onde três pessoas foram ouvidas, duas eram amigas da jovem. Ele ganhou liberdade, no dia 20 de setembro. Durante a fala das testemunhas ele se mostrava apático. Sem aliança e com um terço como pulseira no pulso esquerdo, não pareceu inquieto e estava de cabeça erguida.

Segundo o advogado, ainda não há previsão de quando ele será ouvido, mas acredito que o depoimento de Hugleice ajudará a defesa.

O caso - Marielly saiu de casa, no Jardim Petrópolis, no dia 21 de maio - sábado - dizendo que iria resolver um problema e não foi mais vista. A família dela, inclusive Hugleice, e amigos, espalharam cartazes pelo bairro, e-mails e foram à OAB/MS e Assembléia Legislativa.

O corpo foi encontrado no dia 11 de junho com roupa diferente daquela que a garota havia saído de casa, sem feto e com cor acinzentada, indicando a perda de sangue.

A perícia constatou que não havia marcas de violência no corpo e que, diante da informação de que ela estava grávida, a morte foi resultado do aborto malsucedido.

A Polícia suspeitou de Hugleice porque quebra de sigilo telefônico constatou que ele foi a última pessoa com quem ela conversou, a empregada de Jodimar o viu na residência onde ela trabalhava e, ainda, porque no local onde o cadáver estava havia embalagens de halls, ‘vício’ do rapaz, conforme informado pela dentista dele à Polícia.

A família de Marielly mentiu à Polícia sobre Hugleice. Todos disseram que o rapaz estava em casa no dia 21 de maio, no fim da tarde, quando a operadora de celular dele indicou que ele estava em Sidrolândia. A princípio, a família não será punida criminalmente pela mentira.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Pessoas que contraíram covid-19 podem doar sangue após 30 dias
POLÍCIA
Três pessoas são presas na Capital em posse de camionete furtada em Camapuã
ECONOMIA
Caixa planeja abrir banco digital em seis meses
REGIÃO
Polícia Militar Ambiental de Bonito autua arrendatário de fazenda em R$ 124 mil