Menu
Busca quinta, 02 de julho de 2020

Puccinelli e Amorim aparecem no relatório do Gaeco como investigados

10 dezembro 2015 - 11h00Por G1
O ex-governador André Puccinelli (PMDB) e o empresário João Amorim aparecem no relatório da operação Coffee Break, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), como investigados. O documento foi apresentado na última sexta-feira (4).

A produção da TV Morena não conseguiu contato com a defesa do ex-governador e do empresário.
O relatório tem 270 páginas e está em análise na Procuradoria-Geral de Justiça do Estado que vai definir se envia a denúncia para a Justiça. Conforme as investigações, ficaram evidente as articulações que foram feitas para afastar o prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), em março de 2014.

Puccinelli pode responder por associação criminosa ao lado de Amorim. O Gaeco aponta que o grupo pretendia "restabelecer a estrutura de poder política e econômica da capital" que supostamente foi prejudicada com a vitória de Bernal nas eleições.

A Procuradoria deve definir sobre a denúncia em janeiro de 2016 e ainda pode desconsiderar alguns itens do relatório. Depois da denúncia cabe à Justiça aceitar ou não.

Investigações

As investigações da operação Coffee Break começaram no dia 31 de julho. A operação foi deflagrada em 25 de agosto, quando nove vereadores foram conduzidos para prestar depoimento no Gaeco, além de afastar dos cargos o então prefeito Gilmar Olarte (PP) e o presidente da Câmara Municipal, Mario Cesar Fonseca (PMDB).
Promotores analisaram o período do segundo semestre de 2013 até depois de 12 de março de 2014, quando
Bernal teve o mandato cassado. “Está claro que houve de fato uma associação de pessoas, que por interesses empresariais e políticos, orquestraram um plano para, por meio de oferecimento de vantagens, obter votos para a cassação do prefeito Alcides Bernal”, explicou o coordenador do Gaeco.

Três pessoas, que serão indiciadas por corrupção ativa, atuaram para angariar votos para a cassação, realizando reuniões e oferecendo vantagens. Houve inclusive compra de apoio para afastar Bernal. “Percebemos que os valores são variáveis. Agora percebemos casos que a movimentação desses valores tão muito maiores que em outros casos”.

Todas essas pessoas movimentaram duas a três vezes dos ganhos anuais. “Para citar apenas um exemplo, um vereador declarou ter recebido R$ 393 mil no ano de 2013 e movimentou em suas contas R$ 4,3 milhões”, ressaltou Oliveira.

Cinco pessoas foram identificadas como articuladoras do esquema. “Temos cinco figuras principais, ligadas à área empresarial e da área política, que efetivamente desenvolveram uma postura mais ativa”, disse o promotor.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Secretaria de Saúde confirma novos óbitos e mortes por coronavírus somam 89 em Mato Grosso do Sul
GERAL
Governo prorroga restrição para entrada de estrangeiros no Brasil
PONTA PORÃ
Paciente do Hospital Regional recebe alta após 11 dias de internação para tratar da Covid-19
TRABALHO PARLAMENTAR
Emenda de Neno Razuk viabiliza compra de UTI móvel em Dourados