Menu
Busca segunda, 12 de abril de 2021
MS

Indígena representa o Brasil no Prêmio Crianças do Mundo

16 dezembro 2014 - 09h04Por Fonte: douradosagora
Discursando em guarani, Jhonn Nara Gomes, de 14 anos, representou o Brasil na solenidade oficial do Prêmio Crianças do Mundo, realizada no Castelo de Gripsholm, na Suécia, no dia 29 de outubro.

No país fica a sede da fundação que leva o mesmo nome da premiação. Jhonn reside na comunidade Guaiviry, localizada na mata da fazenda Nova Aurora, entre os municípios de Ponta Porã e Aral Moreira. É a única criança brasileira a integrar o Júri Especial, formado por 12 representantes de várias nacionalidades, responsável pela eleição anual de três heróis que lutam pelos direitos infantis.

Em 2014, a paquistanesa Malala Yousafzai recebeu o título de ‘Heroína dos Direitos da Criança’. Ela defende o direito das meninas do país natal à educação, discutindo abertamente a questão desde os 11 anos de idade, quando o Talibã decretou que elas deixassem de frequentar a escola no Vale do Swat. Malala ficou gravemente ferida em um atentado armado em 2012 e recentemente recebeu o Nobel da Paz.

No primeiro semestre de 2015, jornalistas suecos que trabalham para a Fundação The World’s Children’s Prize virão a Amambai para fazer uma reportagem com Jhonn Nara para a revista Globen. A publicação alcança milhares de crianças em pelo menos cem países.

No Brasil, é utilizada como conteúdo pedagógico por escolas públicas e privadas que participam do programa Prêmio Crianças do Mundo. “Acreditamos que, através da publicação, iremos sensibilizar mais pessoas sobre a situação dos Guarani kaiowá e os direitos das crianças indígenas”, ressalta Sampaio. A titulação só expirará em 2018, ano em que Jhonn atingirá a maioridade.

Na sua apresentação, Jhonn Nara destacou ser representante dos direitos das crianças que estão em regiões de conflito. A área em que ela reside está sob litígio. O caso ganhou repercussão após a morte do cacique Nízio Gomes, que completou três anos no dia 18 de novembro. Segundo Johnn Nara, os europeus demonstraram surpresa após seu relato sobre a realidade Guarani kaiowá.

“As notícias que chegam até eles afirmam que os indígenas brasileiros possuem terras suficientes e que o governo está empenhado em resolver a questão. Eu não fui a Suécia com o simples objetivo de conhecer um castelo. Falei sobre nossa difícil situação”, diz.

Segundo ela, é prioritário para a causa que defende desmistificar a visão distorcida da história, em que o índio é sempre o invasor. O pleito fundamental da comunidade Guaiviry e de centenas de outras país afora é a anexação territorial do que consideram “originariamente de direito”.

Prêmio

O Prêmio Crianças do Mundo é uma iniciativa que visa envolver crianças ao redor do globo em discussões como direitos, democracia e participação e mobilização social. Os candidatos são indicados por organizações que atuam pela promoção do direito à infância e por escolas, crianças e adolescentes de 110 países do mundo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MEIO AMBIENTE
PMA de Aquidauana captura terceiro jacaré passeando pelas ruas da cidade neste ano
INTERNACIONAL
China quer trabalhar com o Brasil para promover parceria estratégica
FÁTIMA DO SUL
PMA fecha serralheria por emissão de sons acima do previsto em lei prejudicando a vizinhança
AÇÃO DE GOVERNO
Ritmo das obras intensifica no Estado, com mais de 80 trabalhos só na área urbana