Menu
Busca quinta, 24 de junho de 2021

Mais de 50% dos maiores de 55 anos são hipertensos

Mais de 50% dos maiores de 55 anos são hipertensos

27 abril 2012 - 14h10
Folha


A hipertensão atinge mais da metade das pessoas com 55 anos ou mais no Brasil, indica o Vigitel 2011, pesquisa telefônica anual que questionou 54 mil adultos em todas as capitais do país.

Entre os entrevistados em geral, 22,7% são hipertensos, taxa ligeiramente inferior à medida pela mesma pesquisa em 2010 (23,3%).

"Esses dados mostram a importância da hipertensão como um dos principais problemas de saúde pública do novo Brasil, que envelheceu mais e ficou mais obeso", afirmou o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

A pressão alta eleva o risco de infarto, problemas renais e derrame, que é a maior causa de morte no país.

Os dados do inquérito indicam, como é esperado, que a hipertensão do brasileiro avança com a idade.

Têm pressão alta 5,4% dos jovens de 18 a 24 anos. Já entre as pessoas com 55 a 64 anos, essa taxa chega a 50,5% e, entre pessoas com 65 anos ou mais, a 59,7%.

A hipertensão se mostra mais presente entre as mulheres em todas as faixas etárias medidas (a partir de 18 anos). Enquanto 52,4% dos homens com 65 anos ou mais são hipertensos, o percentual chega a 64,3% entre as mulheres da mesma idade.

Outra influência sobre a incidência do problema é a escolaridade: quanto menor, maior é a taxa.

De novo, as mulheres são as mais atingidas. A taxa de hipertensão entre a população feminina com até oito anos de estudo (34,4%) é mais que o dobro do percentual entre mulheres com 12 anos ou mais de escolaridade (14,2%).

O ministro citou ações já anunciadas pelo governo federal para tentar reduzir o percentual de hipertensos, como o acordo para que a indústria reduza a quantidade de sódio nos alimentos.

"A previsão é que, até 2014, reduza-se em 4.000 toneladas o sódio em produtos industrializados."

De acordo com o cardiologista Luiz Bortolotto, diretor da unidade de hipertensão do Incor (Instituto do Coração do HC de São Paulo), mesmo pessoas que já estão em tratamento contra pressão alta e acham que estão controlando o consumo de sal estão passando dos limites.

Nesta semana, o Incor divulgou um estudo envolvendo mais de 900 pessoas que detectou o problema. "O máximo deve ser de 5 g por dia, sendo 2 g de produtos industrializados e 3 g de sal adicionado à comida."

Segundo Bortolotto, o pão francês e os temperos prontos são as maiores fontes de sal na dieta dos pacientes.

Para ele, é preciso criar o hábito de ler os rótulos dos alimentos industrializados.

A presidente da Sociedade Brasileira de Hipertensão, Maria Cláudia Irigoyen, lembra que a pesquisa usou dados relatados pelos próprios entrevistados. "Não estão incluídas aí as pessoas que nunca fizeram um exame."

Deixe seu Comentário

Leia Também

IMUNIZAÇÃO
Com cobertura em 40,06%, campanha de vacinação contra a Influenza continua em Mato Grosso do Sul
JUSTIÇA
Barroso mantém decretos estaduais sobre medidas contra covid-19
MEIO AMBIENTE
PMA de Bela Vista captura jiboia de 1,5 metro em sala de residência no centro da cidade
FÁTIMA DO SUL
Ação conjunta apreende drogas e recupera produtos furtados