Menu
Busca domingo, 17 de outubro de 2021

Padrasto suspeito de estupro é levado para presídio

Padrasto suspeito de estupro é levado para presídio

06 fevereiro 2012 - 14h50
G1

O homem de 29 anos, suspeito de estuprar a enteada de 10 no último sábado (4), continua preso em Uberlândia. Ele foi encaminhado ao Presídio Jacy de Assis. O caso foi registrado pela Polícia Militar depois que um vizinho ouviu os gritos de socorro da menina.

De acordo com o Boletim de Ocorrência, a vítima foi encontrada no quarto do apartamento onde mora e chorava muito. Dois policiais, moradores no mesmo condomínio, foram chamados por um vizinho mais próximo depois que a menina gritou por socorro. Os soldados acionaram o 190 e, antes mesmo de a guarnição chegar ao local, bateram na porta e encontraram a menina e o padrasto, que recebeu voz de prisão logo depois.

A menor contou que negou o pedido de um beijo feito pelo homem, mas que ele a acariciou e a levou para o quarto. Ainda de acordo com o Boletim, a menina foi asfixiada na tentativa de fazê-la parar de gritar. O suspeito tirou a roupa dele e da menor e manteve relação sexual com ela. No momento do crime, a mãe de 33 anos estava trabalhando.

A vítima foi levada para o Pronto Socorro do Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (PS/HC-UFU), onde fez exames para comprovar o ato. A assessoria de imprensa da unidade hospitalar, por questão de sigilo, não passou o resultado dos exames e disse que o caso foi encaminhado ao Conselho Tutelar. No Conselho não foram prestados esclarecimentos, uma vez que o crime foi no fim de semana e a conselheira de plantão volta ao trabalho na parte da tarde.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍCIA
PMA de Dourados prende e autua dois pescadores por pesca e transporte de pescado ilegal
SAÚDE
Linfoma de Hodgkin é um tipo de câncer raro e que tem cura
Tratamento exige quimioterapia intravenosa
CULTURA
Com prêmios de até R$ 8 mil, Festival Universitário da Canção revela novos talentos da música de MS
GERAL
Cães e gatos podem ter vírus da covid-19, mas não transmitem a doença