terça, 27 de fevereiro de 2024

Senado aprova MP que amplia crédito a pequeno empreendedor

24 maio 2012 - 17h23Por Assessoria de Imprensa com Agência Senado
O Plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (23) relatório do senador Waldemir Moka (PMDB) ao Projeto de lei de Conversão da Medida Provisória 554/2011. O projeto autoriza a União a conceder subvenção econômica a instituições financeiras para contratação e acompanhamento de operações de microcrédito produtivo orientado.


O objetivo da medida, segundo Moka, é expandir o Programa Nacional de Microcrédito Produtivo Orientado (PNMPO), subvencionando parte dos custos decorrentes da contratação e acompanhamento destas operações pelas instituições financeiras que praticarem taxas de juros de 8% ao ano ao tomador final.


De acordo com o relator, a metodologia e os limites da equalização anual por instituição financeira interessada em operar com o programa serão definidos anualmente pelo Ministério da Fazenda, com limite de R$ 500 milhões anuais. Moka estima que, até o final de 2013, cerca de 3,5 milhões de empreendedores estejam sendo beneficiados pelas linhas de crédito desse programa.


O senador afirma que a medida vai estimular a economia, gerar inclusão social de pessoas carentes e permitir a superação da pobreza. “É uma medida que chega em bora hora e que vai gerar trabalho e renda, principalmente nos municípios de pequeno porte”, argumentou Moka.


Etanol


O projeto também autoriza a utilização dos recursos da Contribuição da Intervenção no Domínio Econômico (Cide) e de outras fontes para financiar a estocagem de álcool combustível (etanol). A elaboração do PLV seguiu orientação da Agência Nacional do Petróleo e Biocombustíveis (ANP).


O PLV prevê que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) poderá emprestar até R$ 2,5 bilhões, enquanto outros bancos federais que operam com recursos da Poupança Rural poderão financiar até R$ 2 bilhões. Esses financiamentos contarão, por cinco anos, com subvenção econômica na forma de equalização da taxa de juros.


A linha de crédito foi criada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). A taxa de juros foi fixada em 8,7% ao ano e definidos como beneficiários as usinas, as cooperativas de produtores, as comercializadoras e as distribuidoras de álcool combustível.


De acordo com Moka, os financiamentos para estocagem de álcool combustível possibilitam a redução da volatilidade de preço e contribuem para a estabilidade da oferta do produto ao longo do ano, durante o período de entressafra.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE

País tem quase 20 mil novos diagnósticos de câncer de pênis em 9 anos

CONSUMIDOR

Projeto proíbe comprar imóveis, carros e obras de arte com dinheiro vivo

SAÚDE

Brasil já registra metade dos casos de dengue contabilizados em 2023

GESTÃO PÚBLICA

Titular da pasta de parcerias estratégicas de MS recebe prêmio nacional de infraestrutura na B3