Menu
Busca terça, 20 de abril de 2021
Ponta Porã

Agentes participam de capacitação para combater vírus chikungunya

26 novembro 2014 - 07h00Por Assessoria

O Governo do prefeito Ludimar Novais (PPS), ofereceu nesta segunda-feira, dia 24, capacitação para que os agentes do setor de saúde possam combater de forma eficaz o chikungunya, vírus que vem se espalhando em vários estados do Brasil. Em Mato Grosso do Sul existem 33 casos suspeitos, com um caso confirmado, e em Pedro Juan Caballero, no Paraguai, um caso confirmado com a doença.

Segundo o coordenador do setor de endemias e vetores, Edilson Melgarejo, a capacitação desta segunda-feira foi ministrada através de parceria com a Secretaria de Estado de Saúde. Um dos palestrantes foi Gilmar Cipriano, que é coordenador estadual de controle de vetores. O evento também contou com a presença de José Pedro, chefe do núcleo técnico de Dourados, e de Leôncio Delgado, coordenador do Senepa, do Paraguai.

Melgarejo disse que o secretário municipal de Saúde, Eduardo Rodrigues, convocou para a capacitação os agentes de controle de vetores, os agentes comunitários de saúde, enfermeiros e também foi convidada a vigilância em saúde do Paraguai. “O objetivo é preparar as equipes para enfrentar o vírus chikungunya da mesma forma que enfrentamos a dengue, sempre com ações intensivas em todas as regiões de Ponta Porã e buscando o desenvolvimento trabalho conjunto com as autoridades paraguaias.

Desde que chegou ao Brasil o chikungunya já infectou 828 pessoas, de acordo com balanço mais recente do Ministério da Saúde. O primeiro caso de transmissão interna do vírus no país foi registrado em setembro. Por ser transmitido pelo mesmo vetor da dengue, o mosquito Aedes aegypti, e também pelo mosquito Aedes albopictus, a infecção pelo chikungunya segue os mesmos padrões sazonais da dengue.

Quais são os sintomas?

Entre quatro e oito dias após a picada do mosquito infectado, o paciente apresenta febre repentina acompanhada de dores nas articulações. Outros sintomas, como dor de cabeça, dor muscular, náusea e manchas avermelhadas na pele, fazem com que o quadro seja parecido com o da dengue. A principal diferença são as intensas dores articulares.

Em média, os sintomas duram entre 10 e 15 dias, desaparecendo em seguida. Em alguns casos, porém, as dores articulares podem permanecer por meses e até anos. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), complicações graves são incomuns. Em casos mais raros, há relatos de complicações cardíacas e neurológicas, principalmente em pacientes idosos. Com frequência, os sintomas são tão brandos que a infecção não chega a ser identificada, ou é erroneamente diagnosticada como dengue.

Tem tratamento?

Não há um tratamento capaz de curar a infecção, nem vacinas voltadas para preveni-la. O tratamento é paliativo, com uso de antipiréticos e analgésicos para aliviar os sintomas. Se as dores articulares permanecerem por muito tempo e forem dolorosas demais, uma opção terapêutica é o uso de corticoides.


Como se prevenir?

Sobre a prevenção, valem as mesmas regras aplicadas à dengue: ela é feita por meio do controle dos mosquitos que transmitem o vírus.

Portanto, evitar água parada, que os insetos usam para se reproduzir, é a principal medida. Em casos específicos de surtos, o uso de inseticidas e telas protetoras nas janelas das casas também pode ser aconselhado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Arrecadação de março superou as melhores expectativas, diz Guedes
COTAÇÃO
Dólar fecha em leve alta após mudanças no Orçamento
POLÍTICA
Câmara: plantio de maconha para fins medicinais tem parecer favorável
REGIÃO
Polícia Militar no Distrito do Boqueirão apreende 1,5kg de maconha