Menu
Busca segunda, 27 de setembro de 2021
ESTADO

Revoga MS serve de parâmentro para programa semelhante do TCU

09 julho 2021 - 12h30Por Portal Governo MS

O programa Revoga MS - que visa desburocratizar o Estado - já ultrapassou as divisas do Estado e chamou atenção do Tribunal de Contas da União. Nesta semana, a equipe do TCU se reuniu, por meio de reunião virtual, com a Procuradora-Chefe da Consultoria Legislativa de MS (Conleg), Dra. Ana Carolina Ali Garcia, para conhecer as diretrizes do projeto que já revogou 4.433 decretos normativos ultrapassados ou em desuso dos primeiros dez anos após a criação de Mato Grosso do Sul (1979-1989), na primeira fase.

Conforme o pedido do Serviço de Normas Processuais e Orientação (Seor), o TCU trabalha num projeto semelhante ao que foi adotado em Mato Grosso do Sul. Conforme  ofício, os resultados alcançados na primeira fase do Revoga MS, considerado pelo TCU como uma etapa de sucesso, foram decisivos para que a equipe procurasse a Conleg para conhecer de perto as normativas do programa.

"É de suma importância compartilhar experiência entre as entidades, essa troca é de relevância para todos os entes  envolvidos no projeto", comemorou Dra. Ana Carolina.

O governador Reinaldo Azambuja considera que o enxugamento na quantidade de decretos vai modernizar as normas e criar um ambiente de mais segurança ao setor produtivo. “Isso é muito importante porque estamos modernizando a legislação, aperfeiçoando o arcabouço regulatório do Estado junto com os poderes constituídos. Estamos simplificando a vida das pessoas, desburocratizando e reduzindo o número enorme de normativos e portarias, decretos e atos que, lá no passado”, disse.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Deputados derrubam vetos a lei que suspende os despejos na pandemia
MINUTO CIDADANIA
Campanha de Enfrentamento à violência sexual contra crianças e adolescentes
CORONAVÍRUS
Setembro apresenta queda de 56% nas internações por covid em relação a agosto
ECONOMIA
Dívida Pública sobe 1,57% em agosto e aproxima-se de R$ 5,5 tri