sábado, 24 de fevereiro de 2024
SAÚDE

Hospital Regional opera bebê ainda no útero da mãe, procedimento inédito na unidade

07 fevereiro 2024 - 15h00Por Agência de Notícias de MS

O HRMS (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul) realizou, no último sábado (3), sua primeira cirurgia fetal para a correção de uma meningomielocele – malformação em um feto de 27 semanas. Até então, o procedimento só tinha sido realizado duas vezes em território sul-mato-grossense.

A malformação consiste em uma abertura na parte da coluna vertebral do bebê, deixando a raiz nervosa exposta e podendo acarretar em sérios problemas como a paralisia e hidrocefalia. O especialista em medicina fetal, Maurício Saito, que veio de São Paulo para realizar a cirurgia, explica que a incidência da meningomielocele é de um para mil nascimentos no Brasil.

“A [malformação] mais comum é a que ocorre na parte final da coluna que é responsável pela movimentação dos membros inferiores, da urina e pelo controle intestinal. Então, como há essa exposição dos nervos é muito comum a criança ficar paraplégica, não ter o controle do urina e da evacuação”, afirmou.

Para corrigir a malformação, foi utilizada uma técnica minimamente invasiva com abordagem intra-utero por endoscopia, sem a necessidade de abrir a barriga da mãe como em cirurgias convencionais, conforme detalha o especialista em cirurgias minimamente invasivas, Dr Alexandre Silva e Silva, que também veio de São Paulo para realizar o procedimento.

“Durante o procedimento a parede abdominal e o útero não são abertos. São feitas pequenas incisões de aproximadamente meio centímetro por onde passam alguns tubinhos que chamamos de trocateres. Por ele introduzimos uma câmera e os instrumentos para realizar a correção da malformação”, acrescentou o especialista.

A paciente em questão foi encaminhada para o pré-natal de alto risco do HRMS e os dois especialistas vieram de forma voluntária para executar o procedimento. “Como temos esse contato com o professor [dr Maurício Saito], ele se dispôs a vir fazer a cirurgia aqui no hospital”, completou a médica ginecologista, Vanessa Chaves de Miranda.

Para a chefe do Centro Obstétrico do HRMS, Fernanda Moreira Faustino Sábio, essa é uma oportunidade única para aprimorar e melhorar o atendimento prestado à população. “Nos permite alcançar um nível de aprendizado muito grande, com especialistas renomados e um caso raro. Mostra que o hospital e o setor estão preparados para esse tipo de procedimento de alta complexidade”, afirmou.

 

A cirurgia foi acompanhada por integrantes de Programas de Residência Médica do HRMS e profissionais de outras unidades através de parceria com a Associação de Ginecologia e Obstetrícia de Mato Grosso do Sul. Residente do Serviço de Ginecologia e Obstetrícia do HRMS, Gidelson Júnior Zagonel da Silva conta como foi acompanhar um procedimento do tipo pela primeira vez.

“Encerro meu ciclo de residência em março e é a primeira vez que acompanho um procedimento dessa complexidade. Se trata de uma doença rara e quando a gente tem a oportunidade de ver um profissional qualificado e experiente, que já realiza cirurgias em São Paulo com uma frequência muito maior, isso é muito valioso”, afirmou o residente sobre sua experiência.

Especialista em medicina fetal, o diretor técnico da Santa Casa de Campo Grande, Dr Willian Lemos, também acompanhou o procedimento e destacou o benefício da cirurgia para a qualidade de vida do paciente.

“De fato é um procedimento complexo e temos diversos pacientes que são acometidos dessa doença no Brasil inteiro. Essa cirurgia é uma abordagem feita no mundo há cerca de 20 anos, então a gente precisa trazer isso para cá. Sabemos que uma cirurgia bem-feita, no período intrauterino, além de trazer benefício para o paciente, melhora no quadro motor. O paciente que acaba não realizando esse procedimento dentro do período fetal invarialvelmente será submetido, no período pós-natal, à derivação do ventrículo peritoneal – que é quando a gente coloca uma válvula para corrigir a hidrocefalia, que acaba sendo uma consequência dessa doença”, afirmou.

Para a diretora-presidente do HRMS, Marielle Alves Corrêa Esgalha, esse é mais um marco na história do hospital que vem, ano a ano, aperfeiçoando e ampliando a gama de atendimento em alta complexidade.

“Essa cirurgia reforça não só a qualidade do atendimento oferecido pelo nosso hospital, mas também na capacidade de lidar com procedimentos complexos de maneira eficaz. O HRMS mais uma vez se destaca mostrando excelência, dispondo de tecnologia de imagem avançada e instrumentação cirúrgica especializada, além de contribuir na capacitação de profissionais de saúde para procedimentos específicos”, afirmou.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

PARAGUAI

Polícia paraguaia identifica morto durante confronto com grupo de 'Macho'

EDUCAÇÃO

Com a agenda cheia, governador acompanha volta às aulas de perto no interior de MS

GERAL

Mega-Sena pode pagar hoje prêmio de R$ 110 milhões

SEGURANÇA

Polícia Científica de MS participa de curso para aprimoramento em análise ambiental do MP