terça, 27 de fevereiro de 2024

'Ele jogou o ônibus em cima', diz mãe de jovem atropelado e morto

'Ele jogou o ônibus em cima', diz mãe de jovem atropelado e morto

07 maio 2012 - 16h10
G1


A mãe do garçom Davison da Silva, um dos dois jovens atropelados por um ônibus na madrugada da última segunda-feira (30), em um distrito de Corumbá, a 444 km de Campo Grande, conta que a motocicleta em que os rapazes estavam tinha dado passagem para o ônibus. "Eles pararam, mas ele [o motorista] jogou o ônibus em cima deles. Acredito que não teve tempo de eles correrem", diz Shyrley da Silva.

Além de Davison, o colega de trabalho dele, Vitor Pedro de Barros, ambos de 25 anos, também morreu após ser atingido pelo veículo. O caso aconteceu no distrito de Albuquerque, a 40 km da sede do município. Segundo a polícia, Vitor e Davison foram atropelados a menos de três quilômetros da pousada onde trabalhavam.

O corpo de Vitor ficou preso à roda do ônibus e foi arrastado por cerca de 300 metros. "O ônibus decerto catou ele pelo meio e foi. O boné estava só lama", relata Inês Conceição Tavares Barros, mãe de Vitor. "Muitas lesões mutiladoras, características de acidente de tráfego, mas em decorrência da violência os corpos ficaram deformados", diz o perito criminal Daniel Dias da Costa.

A motocicleta ficou presa debaixo do ônibus e explodiu quando o tanque de combustível começou a vazar. O motorista não parou, e a motocicleta ficou destruída após ser arrastada por cinco quilômetros.

Cerca de 25 km depois, o ônibus finalmente parou. Segundo a polícia, o motorista jogou o veículo de frente contra um ônibus que vinha de Corumbá. O motorista do veículo atingido, Luis Mário Queiroz, de 58 anos, lembra do que aconteceu. "Quando vi ele, encostei mais para o meu lado, para desviar dele. Tinha lugar para ele passar, só que ele não desviou de mim, veio para cima, na contramão".

Luís teve um corte profundo na cabeça e ferimentos no olho, pernas e peito. Está internado e sem previsão de alta. "Perdi muito sangue dentro do carro, e depois fiquei sentado na porta sangrando bastante. Fiquei com medo de morrer e e deixar minha família", conta.

O motorista agressor ficou preso às ferragens. Foi socorrido e levado para a Santa Casa de Corumbá. Teve fraturas na bacia, pernas e braços. Embora esteja internado, ele está preso. Um policial militar faz a segurança do quarto. À delegada responsável pelo caso, o homem diz não se lembrar de nada.
O suspeito foi indiciado por lesão corporal grave e duplo homicídio doloso, quando há intenção de matar. "O que me chamou mais a atenção foi a pessoa se utilizar de um ônibus para matar pessoas. É a primeira vez que vejo isso”, afirma a delegada Joilce Silveira Ramos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE

País tem quase 20 mil novos diagnósticos de câncer de pênis em 9 anos

CONSUMIDOR

Projeto proíbe comprar imóveis, carros e obras de arte com dinheiro vivo

SAÚDE

Brasil já registra metade dos casos de dengue contabilizados em 2023

GESTÃO PÚBLICA

Titular da pasta de parcerias estratégicas de MS recebe prêmio nacional de infraestrutura na B3