terça, 23 de julho de 2024

Governo ainda aguarda verba para recuperação de ponte no rio Paraguai

23 agosto 2011 - 18h00
Governo ainda aguarda verba para recuperação de ponte no rio Paraguai

Campograndenews

O Governo de Mato Grosso do Sul ainda não recebeu os recursos solicitados ao Governo Federal para a recuperação da ponte sobre o rio Paraguai, após o abalo na estrutura ocorrido em maio deste ano. Foram solicitados R$ 14 milhões.

Hoje de manhã, o governador André Puccinelli (PMDB), disse que a AGU (Advocacia Geral da União) aprovou parecer para que seja usado dinheiro da União na obra de recuperação. Segundo ele, a previsão é que sejam usados recursos do pedágio cobrado na ponte para abater o investimento a ser feito pelo Governo Federal.

Enquanto o recurso não sai, a ponte continua com restrições ao tráfego, conforme decreto publicado hoje, prorrogando a situação de emergência, que havia sido decretada em maio. Um vão de 11 centímetros se abriu na ponte após uma barcaça atingir o dolfin, uma espécie de caixa de concreto, que protege um dos pilares da estrutura.

Restrições - Hoje, a velocidade máxima permitida na ponte é de 40 km e quando passam veículos com mais de três eixos, deve haver um intervalo de cem metros entre eles. Caminhões com minério de ferro são vetados.

O superintendente de Integração e Gestão de Obras da Agesul (Agência de Empreendimentos de Mato Grosso do Sul), Paulo Montilha, informou que estão sendo feitos estudos para a abertura da licitação para contratar a empresa responsável pela obra.

Segundo ele, apesar das restrições, o tráfego ponte está ocorrendo sem fila. Por dia, de acordo com ele, cerca de mil veículos passam pelo trecho, com destino a Corumbá e à Bolívia.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Início de operação da fábrica de Ribas do Rio Pardo consolida MS como vale da celulose

ECONOMIA

Mercado voluntário de carbono no Brasil recua em 2023

Dados são do Observatório de Bioeconomia da FGV

BRASIL

Conab recebe mais R$ 115 milhões para apoio à comercialização da agricultura familiar

DIREITOS HUMANOS

Cimi: políticas públicas ainda não frearam violência contra indígenas

Relatório cita fortalecimento e retomada de ações de fiscalização