Menu
Busca sábado, 15 de maio de 2021

Manifestantes entregam nota de repúdio alegando falta de transparência.

Presidente da Câmara afirma que projeto foi votado 'às claras'.

05 dezembro 2012 - 17h50
G1 MS

Um grupo de manifestantes contra o reajuste do subsídio dos vereadores de Campo Grande entregou uma nota de repúdio à Casa de Leis na manhã desta quarta-feira (5). Os integrantes do Movimento Voluntário alegam que os vereadores não agiram com transparência para aprovar o aumento de 61,97%, válido para a próxima legislatura. O projeto com o decreto de resolução da Mesa Diretora foi aprovado em regime de urgência na sessão plenária da última terça-feira (4).

O presidente do Poder Legislativo, vereador Paulo Siufi (PMDB), negou que houvesse falta de transparência na votação do projeto. "Este projeto foi votado às claras. O voto foi com a presença dos 21 vereadores. O aumento é legal, é constitucional, e é de direito que os vereadores possam ter esse aumento de quatro em quatro anos", afirmou.

Siufi explicou ainda que o valor do subsídio é limitado pela Constituição Federal, que estipula que vereadores de cidades com mais de 500 mil habitantes recebam até 75% do subsídio pago a um deputado estadual. Para 2013, o subsídio do vereador em Campo Grande deve passar para R$ 15.031.

O publicitário Guilherme Martins, um dos integrantes do grupo, afirmou que os vereadores teriam se comprometido a divulgar a data da votação do projeto, o que não foi feito, segundo os manifestantes. "Não foi de acordo com o que eles [os vereadores] avisaram e prometeram para nós e para a imprensa, que seria divulgada para que todos estivessem na hora da votação. A gente aceita um aumento de acordo com a realidade do salário mínimo. Queríamos mesmo era zero de reajuste", disse.

Segundo Nilson Ribeiro, que trabalha como autônomo e participa do Movimento Voluntário, o grupo pretende permanecer mobilizado para abordar outras causas, por meio das redes sociais.
De acordo com Siufi, o impacto do reajuste no orçamento da Câmara não deve extrapolar o limite de 70% permitido para despesas com funcionários, como estabelece a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Covid-19: país tem 15,5 milhões de casos acumulados e 434,7 mil mortes
TECNOLOGIA
Começa a valer hoje nova política de privacidade do WhatsApp
MEIO AMBIENTE
Polícia Militar Ambiental de Bonito captura seriema com perna quebrada
AGEPEN
Por intermédio da Agepen, primeira certidão de nascimento digital de preso indígena é emitida em MS