domingo, 23 de junho de 2024

Justiça Federal determina que procurador retifique restrição de crédito

17 setembro 2011 - 07h00
Justiça Federal determina que procurador retifique restrição de crédito ao produtor rural

Divulgação (TP)

O Tribunal Regional Federal da 3ª Região determinou que o procurador da República, Marco Antonio Delfino de Almeida, retifique recomendação enviada em outubro do ano passado às instituições financeiras com o objetivo de impedir que produtores rurais obtenham financiamentos dando como garantia propriedades supostamente em litígio. A decisão atende recurso da Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Famasul) e refere-se à Recomendação nº 09/2010, endereçada pelo procurador aos bancos, entre eles o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Ao acatar o pedido da Famasul, o desembargador federal Cotrim Guimarães considerou que a Recomendação gera insegurança nas instituições financeiras uma vez que “é imprecisa em relação às áreas em que efetivamente ocorrem as demarcações de terras indígenas e o seu atual estágio”. O magistrado considerou também que o “impacto negativo repercutirá na ordem econômica do Estado de Mato Grosso do Sul”. Por este motivo, determinou que o procurador especifique junto às instituições quais são efetivamente as áreas sujeitas à demarcações.

A informação de que proprietários de áreas supostamente de caráter indígena estariam impedidos de obter financiamento aumentou o clima de incertezas no campo, atingindo não só produtores com áreas em litígio, como propriedades pretendidas pelas comunidades indígenas e também as do seu entorno. “Uma medida como essa Recomendação tem uma conseqüência direta e desastrosa: inviabilizar a atividade do produtor e, tal como reconhece a Justiça Federal, tem repercussões diretas sobre a economia do Estado”, lamenta o presidente da Famasul, Eduardo Riedel.

Conforme Riedel, a indicação generalista do MPF afetou propriedades para as quais sequer existe processo de identificação de áreas indígenas em aberto. “É um ato administrativo que tem efeito prático calculável e extrapola o limite legal da atuação do procurador”, considera. O dirigente considera a decisão da Justiça Federal uma evolução nas tratativas das questões indígenas pelo judiciário.

Prejuízo – Atingidos diretamente pela Recomendação, os produtores rurais sul-mato-grossenses estão buscando na Justiça reparação de danos morais e materiais. Dez sindicatos rurais ajuizaram ações contra o procurador Marco Antonio Delfino de Almeida, buscando ressarcimento. Em defesa dos produtores rurais, ingressaram na Justiça o Sindicato Rural de Amambaí, Antônio João, Aral Moreira, Bela Vista, Brasilândia, Dourados, Laguna Carapã, Maracaju, Ponta Porá, Sidrolândia.

Para o presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Dourados, a atitude do promotor Marco Antonio Delfino de Almeida é infundada, não tem amparo legal e reflete uma postura pessoal do magistrado. “A medida gerou pânico. O produtor é uma pessoa séria e teve sua atividade prejudicada por uma atitude infundada”, assinalou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

REGIÃO

Jovem morre após colidir moto em trailer de lanches

SETOR AÉREO

Mais de 36,7 mi de passageiros voaram pelo país de janeiro a maio deste ano

GERAL

Mega-Sena acumula mais uma vez e prêmio vai a R$ 93 milhões

ESPORTE

Operário AC bate Ivinhema e vira turno na liderança do Grupo B do Estadual Sub-20