Menu
Busca sábado, 16 de outubro de 2021

Para Tite, 'ajuda' no passado faz Timão ser vítima do apito no Brasileiro

05 setembro 2011 - 15h10
Treinador diz que árbitros temem marcar lances favoráveis a seu time por causa da repercussão: 'Pesa só quando o Corinthians é beneficiado'

G1

As arbitragens no Campeonato Brasileirão estão acabando com a paciência de Tite. Após a derrota por 1 a 0 para o Coritiba, domingo, no Couto Pereira (assista aos principais lances no vídeo ao lado), o treinador reclamou de algumas decisões de Wilton Pereira Sampaio (DF). Mas, para o comandante alvinegro, o problema está muito longe de ser apenas errar ou acertar. Segundo ele, o Timão vem sendo prejudicado por causa de supostos benefícios que recebeu em outras ocasiões.

- No lance do pênalti no Emerson contra o Grêmio fizeram um “auê” do caramba. E no jogo lá (em Porto Alegre, no primeiro turno) teve um pênalti para o Grêmio que estou procurando até hoje. Contra o Atlético-MG, dois jogadores se enroscaram e o juiz deu pênalti. Isso não pesa contra o Corinthians. Pesa só quando o Corinthians é beneficiado.

O Corinthians ficou marcado em edições anteriores do Campeonato Brasileiro por ter tirado proveito de erros do apito. Em 2005, na reta final do torneio, Timão e Inter empataram por 1 a 1, no Pacaembu. Os gaúchos se revoltaram com um pênalti não marcado pelo árbitro Márcio Rezende de Freitas do goleiro Fábio Costa no volante Tinga. O resultado aproximou os paulistas do título.

No ano passado, mais confusão. O Cruzeiro deixou o Pacaembu esbravejando contra o árbitro Sandro Meira Ricci por causa uma penalidade do zagueiro Gil no atacante Ronaldo. O Fenômeno converteu, o Corinthians venceu por 1 a 0 e voltou à liderança. Entretanto, terminou a competição em terceiro.

- O árbitro carrega, sim, em cima. Ele entra em campo e, se fizer algo duvidoso, vai vir aquele monte de comentário.

Tite entende que o Corinthians foi prejudicado diante do Coxa. No primeiro tempo, Emerson sofreu falta de Lucas Mendes quando partia em direção ao gol. O treinador acredita que o jogador teria de ser punido com cartão vermelho por ser o último homem, mas recebeu apenas o amarelo. No segundo tempo, ele cobrou a expulsão de Leandro Donizete, que acertou um chute no rosto de Chicão. Ele já havia sido advertido e seguiu no jogo.

- O lance do Emerson é claro. Ele estava indo para o gol. O do Donizete também é para colocar para fora.

Desde o início do Brasileirão, o técnico vem pedindo em boa parte de suas entrevistas coletivas que a CBF coloque árbitros atrás dos gols, como aconteceu no Campeonato Paulista. Na semana passada, ele sugeriu até que os clubes paguem por mais dois assistentes para diminuir os erros.

- Bota quarto árbitro! Eu não quero nada (ajuda). Nós temos competência para buscar nossos objetivos. Os árbitros estão pressionados e querem acertar. Isso seria a favor de todas as equipes.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
Ação global em defesa do clima reúne mais de 20 países
Evento terá shows simultâneos ao redor do mundo
SAÚDE
Comissão geral debate nesta terça-feira políticas públicas de apoio a vítimas de Covid-19
MEIO AMBIENTE
Governadores avançam na criação de consórcio em defesa do desenvolvimento sustentável
SAÚDE
Brasil recebe lote de 4,5 milhões de doses da vacina da Pfizer