Menu
Busca sexta, 22 de outubro de 2021

Sinjorgran lamenta o assassinato do jornalista Paulo Rocaro

13 fevereiro 2012 - 10h37Por Assessoria
O Sindicato dos Jornalistas Profissionais da Grande Dourados (Sinjorgran) lamenta a morte do jornalista e escritor Paulo Roberto Cardoso Rodrigues (Paulo Rocaro), 51 anos, vítima de atentado na noite de 12 de fevereiro de 2012, em Ponta Porã (MS).

Mesmo que a motivação do crime ainda esteja sendo investigada pelos órgãos de segurança, a violência contra a pessoa pode estar relacionada a atividade profissional, tendo em vista que Rocaro foi presidente do Clube de Imprensa da cidade e era editor-chefe do Jornal da Praça e do site Mercosul News. Trabalhava há 31 anos na área jornalística, sendo que entrou em 1985 no Jornal da Praça e criou o site Mercosul News há aproximadamente cinco anos.

Em 08 de novembro de 2011, quando o jornalista Helton Costa perguntou, para a dissertação ainda em elaboração referente ao Mercosul News, sobre as dificuldades e as vantagens que Rocaro destacaria para se trabalhar com jornalismo na região de fronteira, ele respondeu por escrito:

“O jornalismo é uma profissão de risco na fronteira. Contudo, a violência contra profissionais de Imprensa é maior por parte de autoridades e marginais brasileiros do que paraguaios. Quando um profissional constrói mais de 30 anos de carreira numa região assim, como é o meu caso, está preparado para trabalhar em qualquer parte do mundo, por ter que aprender algumas regras que não se ensina nas universidades. Entre os livros que escrevi, há um (e até o final do ano será publicado outro na mesma linha), intitulado ‘A Tempestade’, que trata especificamente dos grupos de extermínios e ‘pistolagens’ aqui na região de fronteira. Nem com isso tive problemas. A segurança de um jornalista na fronteira Brasil-Paraguai está numa linha muito fina e frágil do trinômio razão-verdade-responsabilidade.
Escrevendo sob este prisma, está seguro. Se deixar escapar algum destes requisitos, aí ninguém pode garantir segurança”.

Em outro registro de seu pronunciamento, na entrevista que concedeu em 2007 para a tese de conclusão de doutorado (2008) do professor da UFMS, Marcelo Vicente Cancio Soares, intitulada

“Território televisivo: Estudo da televisão e do Telejornalismo na Fronteira do Brasil com o Paraguai”, Paulo Rocaro denunciou a violência contra jornalistas.

“A gente tem na região de fronteira muitos líderes, seja no submundo do crime, seja no setor empresarial, na política, cuja mentalidade ainda é do interior é do coronelismo, do emprego da força física, da coação moral, das perseguições políticas e os profissionais de imprensa estão sujeitos a tudo isso. Uma matéria que não é do agrado de um político, de um narcotraficante ou de um pistoleiro fatalmente o profissional de imprensa vai responder por aquilo. [...] Enquanto nos grandes centros você publica uma matéria e a pessoa afetada procura a justiça, move ações, aciona a empresa ou o profissional, aqui não tem isso. Aqui o camarada ofendido pergunta quem fez esta matéria? Aí vai direto ao jornalista, seja para ameaçar, seja para pedir um reparo ou direito de resposta. A parte ofendida vai direto por causa da proximidade”.

A própria criação do Clube de Imprensa era apontada como uma das maneiras dos profissionais se organizarem para proteção mútua contra a coação.

Em relatório divulgado ano pela Federação Internacional dos Jornalistas (FIJ), durante o ano de 2011, 106 trabalhadores de comunicação (seis brasileiros) foram assassinados ou morreram de
forma violenta e em 2010 foram 94 mortos.

Esperamos que a violência contra o jornalista Paulo Rocaro não se torne apenas um número na lista de 2012.

Karine Segatto
Presidenta do Sinjorgran

Deixe seu Comentário

Leia Também

GUIA LOPES DA LAGUNA
PMA prendem e autuam infrator por pescar utilizando petrecho ilegal, onde a pesca é proibida
OUTUBRO ROSA
Com foco na prevenção, Conselho leva mulheres com deficiência para realizar exames
OPERAÇÃO PROLEPSE
PMA autua 128 infratores, aplica 33 milhões em multas e realiza orientação em 740 propriedades
POLÍTICA
Projeto destina 10% de vagas no Sine para mulher vítima de violência