Menu
Busca quinta, 13 de maio de 2021

Um deles disse à Guarda Municipal que receberia R$ 1,5 mil para entregar os telefones na Penitenciária Harry Amorim Costa

Um deles disse à Guarda Municipal que receberia R$ 1,5 mil para entregar os telefones na Penitenciária Harry Amorim Costa

27 novembro 2012 - 14h20
Douradosagora

Três homens foram flagrados na noite dessa segunda-feira, em Dourados, a 233 quilômetros de Campo Grande, com 12 celulares que seriam arremessados para a Penitenciária Harry Amorim Costa.

De acordo com noticiado pelo Dourados Agora, a Guarda Municipal fazia rondas pela cidade quando percebeu que uma Parati fez uma conversão repentinamente.

A situação chamou atenção dos guardas, que abordou o veículo ocupado por três pessoas. No banco do passageiro foi encontrado um pano enrolado em uma espuma e no meio estavam escondidos 12 aparelhos celulares.

Um dos ocupantes, Vitor Paulo Machado, 34 anos, disse aos guardas que os telefones eram dele e que foi contratado por R$ 1,5 mil para arremessar os aparelhos para um detento da Penitenciária Harry Amorim Costa.

A Guarda Municipal pediu apoio do Serviço Reservado da PM (Polícia Militar) e foi verificado que Vítor era usuário de drogas e havia comprado entorpecentes de José Aparecido da Silva, 36 anos, conhecido como Maninho.

Policiais foram até a casa de José Aparecido e lá encontraram nove porções de crack, uma balança de precisão, R$ 255 e cinco celulares sem procedência. Ele negou ser o dono do entorpecente e ser traficante, mas foi autuado em flagrante por tráfico de drogas.

Vítor Paulo e Marcos da Silva Souza, 28 anos, o terceiro ocupante do automóvel, foram autuados por favorecimento real e liberados.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ORDEM DO DIA
Aprovada Campanha de Prevenção ao Desaparecimento de Crianças
CORUMBÁ
Polícia Militar apreende droga, plantas do gênero Cannabis e prende autor de tráfico de drogas
EDUCAÇÃO
Bolsas do Prouni: prazo para entrega de documentos termina hoje
MS
Mesmo com pandemia, mercado de veículos usados é aquecido e alegação de venda cresce 16% no Estado