segunda, 22 de julho de 2024

Autoteste para detecção do HIV deve estar à venda no primeiro semestre de 2016

Autoteste para detecção do HIV deve estar à venda no primeiro semestre de 2016

02 dezembro 2015 - 10h00Por Agência Brasil
O autoteste para detecção do vírus HIV deverá estar à venda nas farmácias do país no primeiro semestre do próximo ano, informou nesta terça-feira (1º) o ministro da Saúde, Marcelo Castro. A Agência Nacional de Vigilância Sanitári (Anvisa) publicou as regras para o registro do autoteste na edição de segunda-feira (30) do Diário Oficial da União. O Brasil será um dos poucos países a adotar a estratégia.

“Esperamos que isso esteja disponibilizado para o mercado já para o primeiro semestre do próximo ano. A pessoa vai fazer o teste em casa e, se tiver o vírus, vai precisar de confirmação e de fazer o tratamento. Nossa recomendação é que, identificado o vírus, a pessoa se submeta imediatamente ao tratamento, que é disponibilizado gratuitamente pelo governo federal em todos os postos de saúde do Brasil”, disse o ministro em entrevista a jornalistas.

A Resolução N° 52 da Anvisa determina que os produtos devem trazer informações claras sobre o uso eficaz e seguro e para a correta interpretação dos dados, incluindo ilustrações. Prevê também que os produtores devem colocar à disposição dos usuários um telefone de suporte 24 por dia durante toda a semana, além de ter na embalagem a indicação do Disque Saúde (136), do Ministério da Saúde. De acordo com a resolução, os autotestes poderão ser disponibilizados por farmácias, drogarias, postos de medicamentos e serviços de saúde ou em programas de saúde pública.

Os critérios para o registro do autoteste foram abertos para sugestões e críticas em consulta pública.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Início de operação da fábrica de Ribas do Rio Pardo consolida MS como vale da celulose

ECONOMIA

Mercado voluntário de carbono no Brasil recua em 2023

Dados são do Observatório de Bioeconomia da FGV

BRASIL

Conab recebe mais R$ 115 milhões para apoio à comercialização da agricultura familiar

DIREITOS HUMANOS

Cimi: políticas públicas ainda não frearam violência contra indígenas

Relatório cita fortalecimento e retomada de ações de fiscalização