Menu
Busca quinta, 16 de setembro de 2021

Há quatro meses, cão espera dono que morreu em São Paulo

26 setembro 2013 - 00h00
Ninguém imaginaria que aquele bichinho, abandonado numa favela, infestado de carrapatos e tomado pela sarna, sobreviveria a doenças de pele espalhadas pelo corpo.

Voluntários de uma ONG recolheram o cão e lhe deram tratamento. Faltava um lar. José Santos Rosa, funileiro da zona leste paulistana, quis ficar com ele. O filhote chegou numa caixa de sapatos.

Zé pensou em levá-lo para casa, mas, ao saber que o cão ficaria "gigante", herança de seus traços genéticos, mezzo labrador, mezzo rottweiler, resolveu deixá-lo na oficina.

Logo, Beethoven passou a orquestrar barulhos por onde andava. Serelepe, cruzava fácil as grades do portão, que ganhou tampões de madeira para mantê-lo a salvo da rua.

O cãozinho, lembra a vizinha Margareth Thomé, 47, "achava que era gato": escalava o muro da funilaria e andava sobre ele, espreitando, ansioso, a chegada do dono.

Deixe seu Comentário

Leia Também

OPERAÇÃO PROLEPSE
PMA autuam um assentado em R$ 60 mil por incêndio no Pantanal
SAÚDE
Mato Grosso do Sul recebe mais 85.240 doses de vacina contra a Covid-19
EDUCAÇÃO
Prazo para unidades prisionais aderirem ao Enem PPL termina amanhã
ECONOMIA
Governo encaminha ao Congresso plano de redução de benefícios fiscais