Menu
Busca sábado, 08 de maio de 2021

No Senado, Puccinelli fala de prejuízos para MS com veto de Dilma

No Senado, Puccinelli fala de prejuízos para MS com veto de Dilma

05 dezembro 2012 - 00h00Por Fonte: CGNews
O governador André Puccinelli (PMDB) fez uma explanação, nesta terça-feira, em audiência do CAE (Conselho de Assuntos Econômicos) do Senado, em Brasília (DF), sobre os prejuízos para Mato Grosso do Sul com o veto da presidente Dilma Rousseff (PT) ao projeto de lei, aprovado pela Câmara Federal, que dá nova distribuição aos royalties do petróleo a estados e municípios.

Puccinelli ocupou a palavra a convite do senador Delcídio do Amaral (PT), que preside a comissão. O peemedebista até brincou com a situação. Comentou que falaria sobre a situação econômica do Estado, que tem de estar positiva até 2014 para Delcídio. O petista é apontado como nome certo para concorrer à sucessão de André.

Mais cedo, o chefe do Executivo Estadual participou de encontro com outros 18 governadores, que decidiram iniciar um movimento para derrubar o veto da presidente

Segundo informações da Agência Brasil, o governador do Ceará, Cid Gomes, que promoveu a reunião, disse que, ao longo da conversa, os governadores ligaram ao presidente do Congresso, José Sarney (PMDB-AP) – que está no exterior, e pediram-lhe que coloque o veto em votação imediatamente. Sarney teria dito que ao retornar a Brasília, amanhã (5), vai reunir os líderes de partidos para tratar do assunto.

Também decidiram pressionar o Congresso, por meio das lideranças partidárias e das bancadas estaduais, para que rejeitem o veto quando ele for submetido ao plenário, como prometeu Sarney. Para isso, decidiram iniciar ainda hoje os contatos necessários com deputados e senadores em Brasília.

Ainda conforme divulgado pela Agência Brasil, em outra frente de ação, segundo o governador Cid Gomes, foi decidido que o governador do Acre, Tião Viana, vai procurar a presidenta Dilma Rousseff para esclarecer que “o movimento não é contra ela, nem contra o governo federal, mas por justiça na distribuição dos royalties”. O governador cearense disse entender que a presidenta “sofreu pressão” para vetar o projeto, mas afirmou que “ela foi induzida a erro por sua assessoria na questão do veto”.

Participaram do encontro, além de Cid Gomes (PSB), Tião Viana e André Puccinelli, os governadores de Alagoas, Teotônio Vilela Filho (PSDB); da Bahia, Jaques Wagner (PT); do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT); de Goiás, Marconi Perillo (PSDB); Mato Grosso, Sinval Barbosa (PMDB); do Piauí, Wilson Nunes Martins (PSB), de Rondônia, Confúcio Moura (PMDB) e Roraima, José de Anchieta Júnior (PSDB). Os governadores de Minas Gerais, da Paraíba, do Paraná, de Pernambuco, do Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Tocantins e de Santa Catarina enviaram representantes.

Repercussão – Mato Grosso do Sul receberia R$ 150 milhões a partir do ano que vem com o projeto aprovado pela Câmara Federal, dez vez a mais do que determina a atual legislação. “Queremos que o pré-sal seja dividido por todos os irmãos brasileiros. Não é justo que 95% do recurso vá para Rio de Janeiro, Espírito Santo e São Paulo e 5% para o resto para o Brasil”, declarou Puccinelli nesta semana.

A perda de recursos para Mato Grosso do Sul com o veto de Dilma também foi repercutida durante a sessão desta terça-feira na Assembleia Legislativa. O deputado Junior Mochi (PMDB), líder do Governo na Casa, ocupou a tribuna para falar do assunto.

Ele considerou que o movimento realizado no Rio de Janeiro (RJ), que mobilizou 200 mil pessoas, contando inclusive com a presença de artistas, foi determinante para a decisão da presidente.

Para Mochi, o caminho agora é que os estados menos favorecidos com a atual legislação encabecem movimentos consistentes em busca de sensibilizar o Governo Federal.

Além disso, cobrou que os outros governadores tenham empenho e abracem a causa. Segundo o deputado, lideranças das outras federações devem marchar até Brasília em protesto contra a atual partilha dos royalties do pré-sal. “Ainda dá para derrubar o veto. Os estados têm que se unir”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MEIO AMBIENTE
PMA realiza fiscalização por terra e nos rios em prevenção à pesca predatória
GERAL
Número de mortos em operação no Jacarezinho sobe para 29
COSTA RICA
Trio é preso pela PM com tabletes de substância análoga a maconha
ESPORTE
Fundesporte e Assomasul debatem organização da 17ª Copa Assomasul