Menu
Busca terça, 11 de maio de 2021

Paraguai está otimista sobre fim da suspensão do país da Unasul

Paraguai está otimista sobre fim da suspensão do país da Unasul

26 novembro 2012 - 14h40
Agência Brasil

O ministro das Relações Exteriores do Paraguai, José Félix Fernández Estigarribia, disse estar otimista com a possibilidade de os líderes políticos acabarem com a suspensão do Paraguai da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), na Cúpula da Unasul, em Lima, no Peru. A reunião ocorre nos próximos dias 29 e 30. A presidenta Dilma Rousseff confirmou presença.

Em junho, o Paraguai foi suspenso do grupo, pois os líderes políticos da região concluíram que o processo de impeachment do então presidente Fernando Lugo gerou o rompimento da ordem democrática.

Paralelamente, o Mercosul também suspendeu o Paraguai do bloco. Ambas as sanções são válidas até abril de 2013, quando ocorrem eleições presidenciais no país. Lugo ainda não confirmou se irá concorrer.

O otimismo do chanceler paraguaio é causado pela reação do presidente do Grupo de Alto Nível da Unasul, Salomon Lerner, que visitou o país na semana passada. Segundo ele, Lerner elogiou o processo eleitoral em curso no Paraguai.

"Os comentários dele me pareceram positivos. Como todos sabem, nós mostramos os fatos e esperamos que as deliberações, definidas na cúpula, levem ao fim das sanções ao Paraguai", disse o chanceler.

Fernández Estigarribia acrescentou que o Paraguai vive momento de tranquilidade, apesar de nos últimos dias terem ocorrido manifestações contra o governo. "A realidade é que não há calma absoluta, o povo paraguaio se comportou à altura das melhores pessoas do mundo, como é sua tradição. Nós temos uma democracia em funcionamento e com suas instituições plenas”, disse.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Covid-19: estados pedem manutenção de financiamento de leitos de UTI
PONTA PORÃ
Após denúncia Polícia Militar apreende contrabando de cigarros em veículo
SAÚDE
EUA autorizam vacina da Pfizer para faixa etária de 12 a 15 anos
POLÍTICA
Guedes diz que reforma administrativa será moderada