sexta, 12 de agosto de 2022
Cassems - Todos - Agosto 2022
CAMPO GRANDE

Enfermeiro é algemado e detido em UPA por PM após perguntar nome de paciente para atendimento

27 julho 2022 - 14h30Por G1 MS

Um enfermeiro foi algemado e detido por um policial militar durante atendimento de uma paciente por ter perguntando o nome da mulher enquanto realizava o procedimento de triagem, na Unidade de Pronto Atendimento Leblon, em Campo Grande. O caso aconteceu no último domingo (24). 

Conforme apurado pelo g1, o policial havia socorrido uma vítima de violência doméstica e a levado para área vermelha da unidade de saúde.

Segundo apurado, durante o atendimento, o enfermeiro teria perguntado o nome da vítima para identificação. No momento em questão, o policial teria ficado irritado com o questionamento dizendo que naquela situação não importava.

O enfermeiro tentou explicar para o policial o procedimento, mas recebeu voz de prisão. Nas imagens acima é possível ver o enfermeiro já algemado dentro da viatura e o policial falando com outros profissionais.

O profissional de saúde foi levado para a Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac Cepol), mas o delegado de plantão entendeu que não houve nenhum tipo de conduta criminosa e o enfermeiro foi liberado.

Ao g1, o enfermeiro relatou estar muito abalado com o acontecimento. "Nos 11 anos de profissão, eu nunca imaginei passar por uma coisa dessa, eu sempre venho mentalizando, tentando dar o meu melhor ao meu paciente, eu jamais ia omitir socorro", disse o homem.

Posicionamentos

Em nota, a Polícia Militar informou que não procede a informação de que o funcionário da saúde teria sido conduzido á delegacia de polícia por um motivo torpe como o descrito, visto que perguntar o nome de alguém não se trata de conduta ilícita.

A condução do funcionário se deu em virtude de omissão de socorro. De acordo com o relatório policial, o funcionário não teria prestado pronto atendimento à vítima que permanecia em pé com o auxílio do policial militar.

O Conselho Regional de Enfermagem de Mato Grosso do Sul iniciou uma investigação dos fatos.

A secretária municipal de Saúde (Sesau) informou que todo o atendimento necessário à paciente foi prestado mesmo após o ocorrido entre o servidor e o policial militar.

A secretária ainda lamentou o ocorrido e reforça que está prestado suporte necessário ao servidor, que após o fato não possuía condições psicológicas de retornar ao plantão.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA

Produção de motocicletas tem melhor acumulado para julho desde 2015

SAÚDE

Anvisa analisa cinco pedidos para diagnóstico da varíola dos macacos

ECONOMIA

Conab estima safra de grãos em 271,4 milhões de toneladas em 2021/22

ECONOMIA

Pesquisa indica queda de 2% no abate de frangos no país