Menu
Busca sábado, 08 de maio de 2021

Preso bando que roubou R$ 120 mil e encomendou fuzis para crimes

Preso bando que roubou R$ 120 mil e encomendou fuzis para crimes

06 dezembro 2012 - 14h40
Campograndenews

A quadrilha apresentada na manhã desta quinta-feira na Derf (Delegacia Especializada na Repressão de Roubos e Furtos), presa depois de três roubos no interior do Estado pretendia ‘migrar’ para crimes a bancos. Com dois dos quatro integrantes pertencentes ao PCC, eles já tinham encomendado três fuzis para começar as ações no novo ‘ramo’.

Na delegacia em Campo Grande estavam Osmar Pereira da Silva, 36 anos, conhecido como Branco, a namorada Luciene Cristina Ferreira de Souza, 21 anos e Jucimara Ortiz da Silva, 33 anos. A última mulher estava sendo ouvida pelos delegados de Anastácio e Bodoquena. O quarto integrante, Moredson Teixeira Rodrigues, 32 anos, conhecido como “Mumu” ou “Goiano” também preso com o grupo, está internado no Hospital Regional.

Os roubos foram entre os dias 21 até 28 de novembro, em Bodoquena, Anastácio e Bonito, três dias depois de Moredson e Osmar terem fugido da Colônia Penal Agrícola. Os alvos das três ações foram residência, lotérica, mercado e uma joalheria, assaltos que renderam aos bandidos mais de R$ 120 mil. Na primeira ação, em Bodoquena, no boletim de ocorrência consta que os donos da casa tiveram R$ 40 mil em dinheiro roubados. A quadrilha nega, afirma que só levou R$ 15 mil.

A Polícia acredita que o dinheiro tenha sido empregado para compra de armas, já que com eles foram apreendidos cinco armas. Um revólver calibre 38, uma pistola 380, uma de 9 milímetros e outras duas calibre ponto 40.

O bando foi preso na MS-240, pela Polícia Militar Rodoviária, entre Inocência e Paranaíba na manhã da última terça-feira. A PM já tinha a informação de dois casais responsáveis pelos roubos no interior do Estado, estariam pelas rodovias estaduais, mas num Kadett.

No entanto a quadrilha acabou por trocar o Kadett por um Corsa. Mas como a Polícia já estava monitorando, abordaram o veículo que tinham dois casais como ocupantes. Osmar, que dirigia o carro, tentou trocar de lugar com outro ocupante e os militares acreditando que se tratava do caso de um motorista sem habilitação e os quatro foram levados para a base da PM onde, após a checagem, encontraram as armas e munições no forro das portas.

“A barreira foi feita a pedido da Polícia Civil. Após o roubo de Anastácio, a Polícia de Anastácio tinha a identificação do Moredson, nós identificamos aqui o Osmar e com o roubo de Bonito, foi identificada a Jucimara”, explicou o delegado responsável pela investigação em Campo Grande, Fábio Peró.

Segundo o delegado, a informação é de que a quadrilha seguia para o estado de Goiás, onde a mãe de Moredson mora, para que ele se restabelecesse da saúde. Com eles foram encontrados R$ 3,7 mil e as joias que os quatro usavam também acabou apreendida, por serem do roubo da joalheria em Bonito.

A Polícia ainda ouviu o intermediário da venda das joias, que entregou R$ 4,7 mil. Ele foi ouvido e liberado por colaborar com a Polícia e entregar o dinheiro referente a comissão pela venda.

Pela Derf, a quadrilha vai responder por porte de arma de uso permitido e de uso restrito, receptação e formação de quadrilha. Nas delegacias de Anastácio, Bonito e Bodoquena, os envolvidos serão indiciados pelos crimes relacionados aos roubos.

E com a prisão da quadrilha, policiais da Derf chegaram ao rapaz que dava a cobertura para o bando em Campo Grande. Fábio Gomes Flores, 30 anos, foi preso no bairro Santo Eugênio nesta quarta-feira, com 15 quilos de maconha em casa.

Quando a quadrilha estava na Capital, era na casa de Fábio que ficavam. Para a Polícia, o rapaz confirmou que hospedou o bando e que quando eles foram embora, Moredson pediu para que ele guardasse a droga.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Segunda etapa da vacinação contra influenza começa na próxima semana
CRIME AMBIENTAL
PMA de Bonito e Iagro autuam dono de chácara em R$ 2,6 mil por criação ilegal de javalis
SAÚDE
Pesquisa revela que 1,3 mil municípios ficaram sem segunda dose
Número representa 45% das prefeituras que responderam à sondagem
MS
Ex-marido acusado de feminicídio vai a júri popular