sexta, 23 de fevereiro de 2024

Ari Artuzi afirma que conseguiria 10 mil votos para vereador em Dourados

23 maio 2012 - 17h11Por Campo Grande News
O ex-prefeito de Dourados, Ari Artuzi (PMN), que renunciou ao cargo após um escândalo envolvendo fraudes de licitações milionárias, esteve na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul nesta quarta-feira (23) para, segundo ele, conversar com o deputado George Takimoto (PSL). De maneira discreta, o ex-deputado andou pelos corredores da Casa e cumprimentou alguns funcionários.

Arisco, Artuzi não queria dar entrevista, mas conversou com o Campo Grande News após certa insistência. O ex-prefeito faz questão de repetir que tudo o que foi feito com ele foi editado em computador, em relação às gravações que provocaram a perda do posto. Ainda assim, acredita que tudo isso não o impedirá de ser candidato a vereador no Município.

“O Passaia (jornalista Eleandro Passaia) que fazia as provas e mandava para o delegado... Quem não sabe? Pode editar? Se você gravar, tudo que você gravar tem que colocar. Não pode editar. Foi tudo sacanagem o que fizeram”, disse.

O ex-deputado estadual diz que as pessoas o recebem muito bem em Dourados e que conseguiria se eleger vereador com toda tranquilidade. “Meu eleitor é meu eleitor. Se eu for candidato eu tiro 10 mil votos tranquilamente”. O ex-prefeito conta que está esperando o desenrolar do processo e reclama de prejuízo com toda a situação que passou.

“Eu não acredito que a justiça aceite a sacanagem... Tudo editado do jeito que foi. Eu não tenho condenação. Eu nunca fui depor neste processo aqui. Eu devo R$ 170 mil de financiamento que fiz quando era prefeito, para descontar em folha. Fiz um financiamento para descontar em folha e devo R$ 170 mil no Banco do Brasil. Fui preso e não pude pagar. Peguei em dinheiro. Vendi minha Van, três carros, um terreno. Eu tenho as matrícula”, diz o prefeito, afirmando que pode apresentar 21 matrículas do que vendeu até 2010.

“Eu não fiz nada, nada, nada. Eles fizeram isso porque eu tinha um monte de obras para a cidade. Sacanagem dos envolvidos. Tem gente grande envolvida nisso daí”, afirma o ex-prefeito.

Ari Artuzi foi preso em uma ação da PF (Polícia Federal) junto com o vice-prefeito, noves dos 12 vereadores, secretários municipais e empresários. O grupo foi denunciado por esquema de fraudes envolvendo a Prefeitura, Câmara e empresas. As ações foram registradas por Eleandro Passaia, então secretário de Governo na administração de Artuzi. Após 90 dias atrás das grades, Ari Artuzi renunciou, sendo solto no dia seguinte. O ex-prefeito diz que ele foi sendo coagido aos poucos a renunciar, inclusive com ameaças indiretas de morte.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE

Grupo vai subsidiar políticas de enfrentamento de mortes no trabalho

GERAL

Antropólogos propõem incluir povo indígena em debate sobre bioeconomia

GERAL

Estudo aponta impacto etnorracial no desenvolvimento infantil

GERAL

STF pode agendar audiências para debater revisão da Lei da Anistia