Menu
Busca sábado, 08 de maio de 2021

Bernal gastou R$ 1,9 milhão e Giroto R$ 9,9 milhões na campanha

Bernal gastou R$ 1,9 milhão e Giroto R$ 9,9 milhões na campanha

28 novembro 2012 - 14h20
Campograndenews

Concorrentes no segundo turno da eleição à Prefeitura de Campo Grande, Alcides Bernal (PP) e Edson Giroto (PMDB) gastaram R$ 1,9 milhão e R$ 9,9 milhões, respectivamente, ao longo da campanha.

Os valores foram informados à Justiça Eleitoral e as informações estão disponíveis no site do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

O total de despesas de Giroto ultrapassa as declaradas por Reinaldo Azambuja (PSDB) e Vander Loubet (PT) que, juntas, somaram R$ 8,5 milhões no primeiro turno.

Só em publicidade a campanha do peemedebista pagou, ao menos, R$ 2,9 milhões entre produção de materiais impressos e para a propaganda no rádio e na televisão. Apenas a empresa “VCA” recebeu R$ 1,2 milhão.

Já os custos com combustíveis, divididos em dois postos, chegam a aproximadamente R$ 620 mil. No item “despesa com transporte ou deslocamento”, apenas a Assetur recebeu R$ 243,4 mil.

As doações para candidatos a vereador da coligação liderada por Giroto também totalizam gastos altos. Entre os maiores estão repasse de R$ 155 mil ao eleito Alceu Bueno (PSL) e ao reeleito Paulo Siufi, com R$ 105 mil.

Gastos com telefone, alimentação, cessão locação de imóveis, água e energia elétrica também fazem parte da extensa lista. Só três contas de telefone fixo, por exemplo, totalizaram quase R$ 50 mil.

Quanto aos quase R$ 2 milhões investidos pelo prefeito eleito, cerca de R$ 700 mil são listados como pagamentos a profissionais e empresas responsáveis pela publicidade da campanha, sejam materiais impressos ou produção de programas de rádio, televisão e vídeo.

Apenas a “Macarena Vídeo” recebeu R$ 151 mil, enquanto a “G&R Comunicação e Marketing LTDA”, R$ 90,5 mil. O repasse de R$ 163,8 mil à direção municipal do PP para a campanha da chapa também consta na lista.

Os números informados por Giroto e Bernal são bem inferiores à estimativa declarada por eles no registro das candidaturas no TRE/MS (Tribunal Regional Eleitoral). O peemedebista informou R$ 20 milhões como previsão de gastos, enquanto o progressista R$ 7 milhões. Já o total de receita arrecadado pelos dois é o mesmo da despesa, segundo consta no TSE.

Mais números – Dos outros cinco candidatos que concorreram a prefeito da Capital neste ano, Azambuja informou despesas de R$ 4,33 milhões e Vander de R$ 4,25 milhões. O vereador Marcelo Bluma (PV) revelou ter gasto R$ 161,7 mil durante a disputa, enquanto Suél Ferranti (PSTU) apenas R$ 48,91. Os custos de Sidney Melo (PSOL) ainda não constam no sistema do TSE.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Segunda etapa da vacinação contra influenza começa na próxima semana
CRIME AMBIENTAL
PMA de Bonito e Iagro autuam dono de chácara em R$ 2,6 mil por criação ilegal de javalis
SAÚDE
Pesquisa revela que 1,3 mil municípios ficaram sem segunda dose
Número representa 45% das prefeituras que responderam à sondagem
MS
Ex-marido acusado de feminicídio vai a júri popular