Menu
Busca sábado, 23 de outubro de 2021

Com piadas, Tiririca preside audiência pública pela 1ª vez

Com piadas, Tiririca preside audiência pública pela 1ª vez

08 dezembro 2011 - 13h17
UOL

“E o palhaço o que é?” Ao menos nesta quinta-feira (8), há duas respostas. A primeira: é o tema de uma audiência pública na comissão de Educação e Cultura na Câmara dos Deputados. A segunda: é presidente desse encontro, com o ex-profissional circense e atual parlamentar Tiririca (PR-SP).

Foi a primeira oportunidade em que ele falou longamente depois de ter sido eleito com mais de 1 milhão de votos em 2010 --neste ano não subiu à tribuna nenhuma vez.

No encontro convocado por ele, para debater a concessão de alvarás a circos, Tiririca discorreu sobre sua trajetória, ganhou afagos e se permitiu fazer algumas piadas que, se não arrancaram gargalhadas de cerca de 80 pessoas presentes, serviram para descontrair.

Admitiu ainda que os deputados “trabalham muito e produzem pouco”. Teve auxílio de um assessor da Câmara e cedeu prioridade às mulheres, por cavalheirismo não previsto pelo regimento interno.

Beirando a falta de decoro parlamentar --chamou o amigo deputado Chiquinho Escórcio (PMDB-MA) de “cara de joelho” e ironizou um convidado de sobrenome Kornowski--, Tiririca só foi ácido contra o Cirque du Soleil. “Não devemos nada a esse circo aí. Tem muito brasileiro nesse circo”, disse.

Ganhou aplausos efusivos de deputados de vários partidos. Ele presidiu a sessão no lugar de Fátima Bezerra (PT-RN). Os deputados que apresentam solicitações de audiências públicas costumam comandar esses encontros.

O deputado ameaçou criticar os colegas menos próximos. Mas desistiu no meio do caminho. “Para eles [deputados], esse palhaço vinha fazer palhaçada. Realmente eu faço. Mas não, não faço. Tem a quebra de decoro”, afirmou, para depois emendar, citando colegas de quem ficou mais próximo.“A gente brinca para caramba.”

Ao assumir o mandato, Tiririca disse que lutaria pelos circos, estimados em 3.000 em todo o país pela associação do setor.

O deputado mais votado das últimas eleições admitiu que depois da vitória se escondeu do assédio em Guararema, no interior paulista, e que teve dificuldades no início do mandato. “Nos primeiros três meses eu estava estressado”, disse. “Eu estou me adaptando.”

Ele repetiu que ainda não sabe se disputará outro mandato. Mas já sabe o que um deputado faz, ao contrário do que sinalizou no início do horário eleitoral gratuito.

“Eu realmente sei o que um deputado faz. Trabalha muito e produz pouco. O regime da casa é engessado. Dentro do regime é complicado. Hoje estou dando baile, aprendendo para caramba. Mas foi mais difícil”, disse.

Apesar de uma representante do setor ter afirmado que “2011 foi um ano perdido para o circo”, ele se comprometeu a continuar na defesa da bandeira.

“Para mim, o circo é tudo na minha vida. É minha educação, minha vivência. Comecei com oito anos. Um artista de circo tem de fazer quase tudo. Fui trapezista, malabarista, fiz saltos mortais, fui mágico e me firmei palhaço. Mas eu achei palhaço legal porque ficava no chão, sem risco nenhum”, contou. “Eu deixei o circo, mas o circo não me deixou.”


“E o palhaço o que é?” Ao menos nesta quinta-feira (8), há duas respostas. A primeira: é o tema de uma audiência pública na comissão de Educação e Cultura na Câmara dos Deputados. A segunda: é presidente desse encontro, com o ex-profissional circense e atual parlamentar Tiririca (PR-SP).

Foi a primeira oportunidade em que ele falou longamente depois de ter sido eleito com mais de 1 milhão de votos em 2010 --neste ano não subiu à tribuna nenhuma vez.

No encontro convocado por ele, para debater a concessão de alvarás a circos, Tiririca discorreu sobre sua trajetória, ganhou afagos e se permitiu fazer algumas piadas que, se não arrancaram gargalhadas de cerca de 80 pessoas presentes, serviram para descontrair.

Admitiu ainda que os deputados “trabalham muito e produzem pouco”. Teve auxílio de um assessor da Câmara e cedeu prioridade às mulheres, por cavalheirismo não previsto pelo regimento interno.

Beirando a falta de decoro parlamentar --chamou o amigo deputado Chiquinho Escórcio (PMDB-MA) de “cara de joelho” e ironizou um convidado de sobrenome Kornowski--, Tiririca só foi ácido contra o Cirque du Soleil. “Não devemos nada a esse circo aí. Tem muito brasileiro nesse circo”, disse.

Ganhou aplausos efusivos de deputados de vários partidos. Ele presidiu a sessão no lugar de Fátima Bezerra (PT-RN). Os deputados que apresentam solicitações de audiências públicas costumam comandar esses encontros.

O deputado ameaçou criticar os colegas menos próximos. Mas desistiu no meio do caminho. “Para eles [deputados], esse palhaço vinha fazer palhaçada. Realmente eu faço. Mas não, não faço. Tem a quebra de decoro”, afirmou, para depois emendar, citando colegas de quem ficou mais próximo.“A gente brinca para caramba.”

Ao assumir o mandato, Tiririca disse que lutaria pelos circos, estimados em 3.000 em todo o país pela associação do setor.

O deputado mais votado das últimas eleições admitiu que depois da vitória se escondeu do assédio em Guararema, no interior paulista, e que teve dificuldades no início do mandato. “Nos primeiros três meses eu estava estressado”, disse. “Eu estou me adaptando.”

Ele repetiu que ainda não sabe se disputará outro mandato. Mas já sabe o que um deputado faz, ao contrário do que sinalizou no início do horário eleitoral gratuito.

“Eu realmente sei o que um deputado faz. Trabalha muito e produz pouco. O regime da casa é engessado. Dentro do regime é complicado. Hoje estou dando baile, aprendendo para caramba. Mas foi mais difícil”, disse.

Apesar de uma representante do setor ter afirmado que “2011 foi um ano perdido para o circo”, ele se comprometeu a continuar na defesa da bandeira.

“Para mim, o circo é tudo na minha vida. É minha educação, minha vivência. Comecei com oito anos. Um artista de circo tem de fazer quase tudo. Fui trapezista, malabarista, fiz saltos mortais, fui mágico e me firmei palhaço. Mas eu achei palhaço legal porque ficava no chão, sem risco nenhum”, contou. “Eu deixei o circo, mas o circo não me deixou.”

Deixe seu Comentário

Leia Também

AÇÃO DE GOVERNO
Programa milionário para o esporte e investimentos para o setor elétrico ganham destaque
POLÍCIA
PMA de Batayporã autua jovem de 25 anos por maus-tratos a uma cadela Pit Bull
SAÚDE
Trabalho remoto foi mais recorrente para quem tinha curso superior
REGIÃO
PMA captura tamanduá-bandeira refugiado dentro de depósito em sítio depois de ser acuado por cães