Menu
Busca sábado, 15 de maio de 2021

Governadores de estados não produtores admitem trocar royalties do petróleo

01 setembro 2011 - 17h00
Governadores de estados não produtores admitem trocar royalties do petróleo por aumento dos repasses da União

Agência Brasil

O debate acerca da distribuição dos royalties do petróleo da camada do pré-sal tem que levar em consideração o pacto federativo e a igualdades entre os estados. Essa foi a argumentação dos governadores dos estados não produtores de petróleo para defender a derrubada do veto do então presidente Luís Inácio Lula da Silva ao artigo da lei que garante a divisão igualitária dos royalties entre produtores e não produtores. Se o acordo político for pela manutenção do veto, a sugestão é que seja aprovada uma nova lei que eleve o repasse para os estados não produtores como forma de acesso aos recursos extras do petróleo.

Durante audiência pública no Senado, o governador de Goiás, Marconi Perillo, disse que os estados não produtores não querem “abocanhar” recursos dos estados que produzem petróleo, mas que é preciso distribuir melhor esses recursos. “Ninguém quer retirar nada dos estados que produzem, mas a discussão sobre o pacto federativo tem que ser colocada”, disse.

Já o vice- governador do Pará, Helenilson Pontes, vê no debate sobre o dinheiro dos royalties a possibilidade de assegurar mais recursos para as regiões Norte e Nordeste. “Este é o momento do país olhar pela perspectiva de como levar justiça social para o Norte e para o Nordeste. Esse assunto não pode se descolar da premissa de se usar os recursos do pré-sal para o desenvolvimento regional. Não é possível descolar o debate da discussão geral da repartição do bolo dos recursos da União que são divididos com estados e municípios”.

Após ouvir, ontem (31), os governadores dos estados produtores de petróleo, as comissões de Assuntos Econômicos (CAE) e de Serviços e Infraestrutura (CI) do Senado ouviram hoje (1º) representantes dos estados não produtores. As audiência públicas visam a encontrar uma solução consensual para o impasse criado após o veto de Lula à chamada Emenda Ibsen, que determinava a divisão igualitária dos royalties entre todos os estados e municípios brasileiros. Se estive em vigor, a divisão equânime dos royalties provocaria uma queda substancial da receita dos estados produtores, especialmente Rio de Janeiro e Espírito Santo, que concentram a maior parte da produção de petróleo do país.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Covid-19: país tem 15,5 milhões de casos acumulados e 434,7 mil mortes
TECNOLOGIA
Começa a valer hoje nova política de privacidade do WhatsApp
MEIO AMBIENTE
Polícia Militar Ambiental de Bonito captura seriema com perna quebrada
AGEPEN
Por intermédio da Agepen, primeira certidão de nascimento digital de preso indígena é emitida em MS