Menu
Busca quinta, 13 de maio de 2021

Juiz em MS autoriza quebra de sigilo bancário da Assembleia Legislativa

Juiz em MS autoriza quebra de sigilo bancário da Assembleia Legislativa

19 dezembro 2012 - 17h20
G1 MS

A Justiça em Campo Grande determinou a quebra do sigilo bancário da Assembleia Legislativa referente aos últimos cinco anos, de janeiro de 2008 a dezembro de 2012, em decisão que atende uma ação popular. No despacho, consta que a varredura será feita em todas as movimentações bancárias de qualquer natureza, incluindo eventuais remessas de valores para exterior.

O G1 entrou em contato com a Assembleia Legislativa e a assessoria respondeu que os questionamentos foram enviados à Mesa Diretora. Até o fechamento desta reportagem, não houve retorno.

A decisão foi proferida no dia 14 de dezembro, pelo juiz José Henrique Neiva de Carvalho e Silva, em substituição legal na Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos e ainda cabe recurso. A ação popular foi protocolada no dia 11 de dezembro por um grupo de advogados, segundo Jully Heyder da Cunha Souza, um dos requerentes do processo.

A ação foi proposta com base nas investigações da Polícia Federal, na Operação Uragano, em setembro de 2010, que apurou desvio de verbas e fraudes em licitações na prefeitura de Dourados para pagamento de mensalão. Durante a apuração das denúncias, um vídeo do ex-deputado Ary Rigo foi divulgado, em que ele falava de um esquema de pagamentos que envolveria Assembleia Legislativa e ocupantes de cargos públicos no Executivo e Judiciário.

Os advogados alegam que a ação popular tem interesse coletivo, por se tratar de possível desvio de recursos públicos. Em 2010, a Comissão de Ética da Assembleia Legislativa chegou a abrir um procedimento interno, mas foi arquivado depois que Rigo terminou o mandato parlamentar. À época, Rigo negou envolvimento no caso e disse que o vídeo foi retirado de um contexto.

Decisão

O juiz acatou o pedido de quebra de sigilo, alegando que é preciso sanar dúvidas de possíveis irregularidades. “Trata-se de evidentemente, espantar a quebra de confiança que existe entre o povo e seus representantes”. Para o magistrado, a movimentação bancária servirá como base para apuração de ato ilícito. “Não resta alternativa, portanto, senão reconhecer ser inegável a quebra de sigilo havendo indícios de improbidade adminstrativa”.

Silva deferiu a quebra no pedido e determinou envio de ofício ao Banco Central do Brasil para que seja informado as contas bancárias existentes nas instituições financeiras em nome da Assembleia.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TEMPO
Vento sul contribui para mais um dia de temperaturas amenas em Mato Grosso do Sul
SAÚDE
Perfil genético torna paciente mais suscetível à covid-19, diz estudo
ESCOLAGOV
Escolagov divulga habilitações em processo seletivo para credenciamento de profissionais
LEGISLATIVO
Deputado propõe projeto para instalação de câmeras em escolas públicas de MS