Menu
Busca terça, 11 de maio de 2021

'Não fiquei surpreso', diz Lula sobre Operação Porto Seguro

'Não fiquei surpreso', diz Lula sobre Operação Porto Seguro

07 dezembro 2012 - 13h20
Folha de São Paulo


Em viagem a Alemanha, o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva falou à Folha, nesta sexta-feira (7), que não se surpreendeu com a Operação Porto Seguro, deflagrada pela PF (Polícia Federal), no mês passado.

"Eu não fiquei surpreso", disse Lula.

Foi a primeira vez que o ex-presidente falou sobre o caso. Questionado sobre o que achou das acusações reveladas pela operação, no entanto, ele não respondeu.



O ex-presidente está em Berlim, onde participa de uma conferência internacional do sindicato dos metalúrgicos da Alemanha. O evento reúne sindicalistas e membros do SPD, o partido Social Democrata Alemão, atual oposição da chanceler alemã Angela Merkel.

Ele viajou em companhia de sua mulher, Marisa Letícia, que não estava presente durante o discurso de hoje do ex-presidente.

OPERAÇÃO

A Operação Porto Seguro, deflagrada no dia 23 de novembro, investigou um esquema suspeito de tráfico de influência, corrupção e falsidade ideológica em órgãos federais.
Segundo a PF, a organização oferecia propina a funcionários para a emissão de pareceres e laudos técnicos em favor de empresas com interesse em processos em andamento no governo.

Durante as investigações, os policiais identificaram a participação de Rosemary Nóvoa Noronha, ex-chefe de gabinete da Presidência em São Paulo, indicada por Lula para o cargo.

Além da participação de Rose, como era conhecida, as investigações mostraram que o grupo era liderado por Paulo Vieira. Seu irmão, Rubens Vieira, diretor da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), também é investigado na operação.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Covid-19: estados pedem manutenção de financiamento de leitos de UTI
PONTA PORÃ
Após denúncia Polícia Militar apreende contrabando de cigarros em veículo
SAÚDE
EUA autorizam vacina da Pfizer para faixa etária de 12 a 15 anos
POLÍTICA
Guedes diz que reforma administrativa será moderada