Menu
Busca domingo, 13 de outubro de 2019
MARIO ABDO BENÍTEZ

Oposição do Paraguai busca impeachment de presidente por acordo energético com Brasil

Presidente do Partido Liberal diz que irá apresentar pedido à Câmara alegando traição à pátria, mas abertura do processo depende de votos de movimento dissidente de partido do governo. Cronograma de compra de energia de Itaipu até 2022 irá elevar gastos e

01 agosto 2019 - 08h30Por G1

Partidos de oposição do Paraguai anunciaram nesta quarta-feira (31) que apresentarão um pedido de impeachment contra o presidente, Mario Abdo, e o vice-presidente Hugo Velázquez, por conta do escândalo em torno de um polêmico acordo energético com o Brasil.

Políticos e parlamentares reagiram contra a assinatura do acordo, que estabelece um cronograma para a compra de energia gerada pela hidrelétrica binacional Itaipu até o ano de 2022.

O acordo - fechado em maio, mas conhecido publicamente apenas na semana passada - elevará os custos para a empresa estatal de eletricidade do Paraguai em mais de R$ 200 milhões, segundo o ex-diretor da entidade.

"Vamos preparar a documentação necessária para o processo por traição à pátria, isso significa mau desempenho... e serão necessárias novas eleições", disse a jornalistas Efraín Alegre, presidente do Partido Liberal, a principal sigla de oposição no país.

O processo de impeachment deve ser iniciado na Câmara dos Deputados, onde são necessários 53 votos para a acusação. Em seu bloco, a oposição reúne apenas 38, portanto a abertura do processo dependerá dos votos do Honor Colorado, movimento dissidente do partido de governo liderado pelo ex-presidente Horacio Cartes.

Novo chanceler

Nesta quarta-feira, Antonio Rivas assumiu o ministério das Relações Exteriores do Paraguai, substituindo Alberto Castiglioni, que pediu demissão da pasta na segunda-feira, por causa do acordo de Itaipu.

Além de um novo chanceler, o país também nomeou, nesta quarta (31), um novo titular paraguaio de Itaipu, Ernst Bergen. O antecessor dele também se demitiu na segunda-feira.

Rivas, que antes ocupava o cargo de vice-ministro das Relações Exteriores, anunciou que irá na sexta-feira (2) a Brasília para uma reunião com representantes do governo de Jair Bolsonaro para cancelar o documento, que a oposição e outros setores da sociedade paraguaia consideram desfavorável para o país vizinho.

Eles acreditam que a ata pode levar a aumentos nos custos de energia para o país. O jornal paraguaio "ABC Color" aponta que a usina de Itaipu fornece energia com dois preços diferentes a Brasil e Paraguai: há a energia garantida (mais cara) e a energia adicional, que é um excedente (mais barato).

Em 2007, em troca da instalação de mais duas turbinas binacionais, das quais o Brasil precisava, o Paraguai conseguiu negociar o benefício para comprar energia adicional em maior quantidade, pagando menos do que se consumisse o mesmo volume na forma de energia garantida.

Com a ata, diz o "ABC Color", o Paraguai renuncia ao benefício da energia adicional e concorda em seguir um cronograma de compra da energia garantida, mais cara — o que geraria uma diferença de US$ 350 milhões (R$ 1,3 bilhão) para a ANDE, segundo especialistas da área ouvidos pelo "ABC Color".

Segundo o veículo "ABC Color" e o "Ultima Hora", o texto estipulava que o Paraguai concordava em usar a energia garantida de Itaipu - mais cara que a excedente, que é usada hoje pelo país. O prejuízo, segundo especialistas ouvidos pelo site, seria de US$ 350 milhões (R$ 1,3 bilhão) para a Administração Nacional de Eletricidade (Ande) paraguaia.

Brasil está disposto a fazer justiça, diz Bolsonaro
O novo chanceler, Antonio Rivas, disse que o Paraguai solicitou a reunião com as autoridades brasileiras para resolver o impasse e disse que encontrou "uma visão positiva" nos representantes do Itamaraty.

"Queremos corrigir a situação com o Brasil", disse o diplomata. Os vizinhos pretendem invalidar a ata e instruir os técnicos da Ande e da Eletrobras para um novo contrato.

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, também comentou nesta quarta (31) a questão de Itaipu.

“Olha, nosso relacionamento com o Paraguai é excepcional, excelente. Estamos dispostos a fazer justiça neste questão de Itaipu Binacional, que é importantíssimo no Paraguai e importante para nós”, disse Bolsonaro, segundo a Reuters.

 

“Não é questão de ceder ao Paraguai. Não é meio a meio? A princípio é por aí. As pequenas derivações a gente acerta aí”, acrescentou.

Renovação em 2023

 

 

A hidroelétrica de Itaipu, construída sobre o rio Paraná, que separa o Brasil e o Paraguai, produz 14 mil megawatts e é a segunda maior do mundo, atrás da chinesa Três Gargantas. O Brasil consome 93% da energia da usina, e compra o excedente do Paraguai.

A oposição paraguaia questiona a venda dessa energia "a um preço ridículo", segundo afirmou o parlamentar Ricardo Canese, que pertence ao partido Frente Guasú (Frente Grande).

Depois de 50 anos, em 2023, os dois países devem rever o tratado original de Itaipu, assinado em 1973 pelos ditadores Alfredo Stroessner e Ernesto Geisel.

Um novo tratado envolve a revisão do preço da energia, que sempre foi percebida no Paraguai como desfavorável aos seus interesses.

"O Paraguai deixou de receber US$ 75 bilhões por não vender a preço de mercado, desde que a usina começou a operar em 1984", garantiu à AFP o cientista político Miguel Carter, segundo cálculo feito a partir de dados oficiais.

Deixe seu Comentário

Leia Também

EDUCAÇÃO
Evento em Brasília incentiva jovens a serem cidadãos globais
POLÍTICA
Bolsonaro destaca ações do governo em outubro
Economia
Competição entre bancos reduz juros do crédito imobiliário
SAÚDE
Concorrência pode reduzir custo de medicamentos biológicos