Menu
Busca terça, 11 de maio de 2021

Para ex-ministro Reis Velloso, governo acerta quando anuncia contenção de gastos

30 agosto 2011 - 16h20Por Fonte: Matéria
Para ex-ministro Reis Velloso, governo acerta quando anuncia contenção de gastos

Ex-ministro do Planejamento entre 1969 e 1979, o economista e fundador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), João Paulo dos Reis Velloso, considerou acertadas as medidas anunciadas ontem (29) pelo governo federal, visando a aumentar em R$ 10 bilhões a economia do governo este ano, por meio da ampliação do superávit primário.

“O Estado brasileiro gasta demais com os Três Poderes. Por isso, cobra demais [do contribuinte] e se endivida demais. Portanto, a presidenta Dilma Rousseff acertou porque, com elas [as medidas anunciadas ontem], vamos conter gastos. Fazendo isso, estamos poupando, o que gerará consequências muito significativas para a sociedade, como a diminuição da táxa básica de juros e a valorização do dólar. Isso ajudará a conter as importações e favorecer nossas exportações”, disse o ex-ministro em palestra comemorativa aos 47 anos do Ipea.

A partir desse ponto de vista, Reis Velloso acredita que amanhã (31), quando a previsão orçamentária do governo federal para 2012 será anunciada, o governo apresentará cortes que beneficiem a expansão da poupança e a contenção dos gastos de custeio, “que são correntes e aida estão muito elevados”.

No entanto, adverte, o governo precisa estimular a inovação. “Vivemos um momento de grandes oportunidades para o país, mas, para aproveitarmos isso, precisamos criar condições para que a capacidade de inovação seja universalizada. Isso só é possível com a participação de universidades, empresas e, também, da sociedade. Metade do PIB [Produto Interno Bruto] dos países desenvolvidos está diretamente relacionada à inovação e à geração e uso do conhecimento”, argumentou.

Para Reis Velloso, o governo acerta ao defender que os recursos do pré-sal sejam usados como ferramenta para o desenvolvimento econômico e social e, também, como mecanismo de transferência de renda. "Mas há outras coisas que precisam ser feitas, como melhor aproveitar o potencial da biodiversidade que só o nosso país tem e levar o conhecimento a todos os setores da economia e das camadas sociais. É uma ideia simples e, ao mesmo tempo, complicada de ser feita”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Covid-19: estados pedem manutenção de financiamento de leitos de UTI
PONTA PORÃ
Após denúncia Polícia Militar apreende contrabando de cigarros em veículo
SAÚDE
EUA autorizam vacina da Pfizer para faixa etária de 12 a 15 anos
POLÍTICA
Guedes diz que reforma administrativa será moderada