Menu
Busca terça, 11 de maio de 2021

Título Interno

19 agosto 2011 - 09h16
Agência Brasil

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), que funciona como uma prévia da inflação oficial do país, ficou em 0,27% em agosto. O resultado supera a taxa de 0,10% observada em julho. No ano, o IPCA-15 acumula alta de 4,48%, mais elevada do que a registrada no mesmo período de 2010, que foi 3,21%.

No período dos últimos 12 meses, o índice tem alta acumulada de 7,10%, também acima da observada nos 12 meses imediatamente anteriores (6,75%). Em agosto de 2010, o IPCA-15 havia ficado em –0,05%.

De acordo com dados divulgados hoje (19) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as refeições em restaurante, que ficaram 0,92% mais caras, exerceram o principal impacto individual no índice do mês (0,04 ponto percentual).

Com isso, o índice do grupo alimentação e bebidas voltou a subir, passando de queda de 0,39% em julho para 0,21% em agosto. O movimento também foi influenciado pelo feijão-carioca (de –0,73% para 1,21%), arroz (de –1,29% para 0,34%) e pelas carnes (de –1,50% para 0,52%).

Os produtos não alimentícios ficaram em média 0,29% mais caros.

Também pressionaram a taxa de agosto o aluguel residencial (de 0,46% para 1,06%), os eletrodomésticos (de 0,61% para 1,27%), os artigos de vestuário (de 0,15% para 0,68%) e as tarifas dos ônibus interestaduais (de 2,97% para 4,09%).

Os combustíveis ficaram pouco mais caros, passando de –1,17% para 0,01%. Apesar da menor intensidade de alta do etanol (de 1,79% para 1,54%), a gasolina reduziu o ritmo de queda, passando de –1,49% para –0,17%.

Entre os índices regionais, o maior foi o de Brasília (0,44%), em consequência, principalmente, do aumento do aluguel (2,07%) e dos combustíveis (1,77%). Já o mais baixo foi o de Recife, com queda de 0,17%, influenciado pelo menor resultado dos alimentos (-0,66%).

Para o cálculo do IPCA-15, os preços foram coletados de 14 de julho a 12 de agosto e comparados aos vigentes de 14 de junho a 13 de julho de 2011. O indicador refere-se às famílias com rendimento de até 40 salários mínimos e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, de Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e Goiânia. A metodologia utilizada é a mesma do IPCA. A diferença está no período de coleta dos preços.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DIA DO CAMPO
Infraestrutura amplia competitividade do agro que registra números positivos mesmo na pandemia
ECONOMIA
Banco Central abre consultas para saques e trocos via Pix
SAÚDE
Campanha de vacinação contra gripe termina 1ª fase com 8% imunizados
MAUS-TRATOS
PMA de Bonito autua em R$ 2 mil homem de 24 anos que carregou e matou cachorro do irmão por vingança