segunda, 22 de julho de 2024

Após sobrevoos, governo de MS e União terão nova perspectiva para recuperação do Taquari

22 dezembro 2015 - 09h00Por Notícias MS
Em esforço conjunto, o Governo de Mato Grosso do Sul, a União e o Governo de Mato Grosso concluem até março de 2016 um estudo preliminar que irá subsidiar o estabelecimento de ações estaduais e federais a curto, médio e longo prazo para a conservação da Bacia do Paraguai no âmbito de toda a sua extensão em território brasileiro e medidas específicas para dar solução ao assoreamento e recuperar o Rio Taquari.

Na semana passada, de 14 a 18 de dezembro, técnicos da Agência Nacional de Águas (ANA) e do Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul) sobrevoaram a região pantaneira no Estado, levantaram dados e fizeram registro fotográfico dos rios da Bacia do Pantanal e principalmente do assoreamento do Rio Taquari. Poucos dias antes, esse mesmo trabalho foi realizado no Mato Grosso, pela ANA e o órgão ambiental daquele estado.

No sábado (19), foi realizado o último sobrevoo, desta vez com a presença do secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico, Jaime Elias Verruck, da diretora da ANA, Gisela Forattini, da Secretária de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente, Ana Cristina Barros e de Daniele Coelho Marques, técnica da Famasul, membro do Grupo de Acompanhamento do Plano de Recursos Hídricos da Região Hidrográfica do Paraguai (GAP) e integrante do Conselho Estadual de Controle Ambiental (CECA).
Acompanharam ainda, Sérgio Rodrigues Ayrimoraes, Superintendente de Planejamento de Recursos Hídricos da ANA e Thiago Henriques Fontenelle, especialista em Recursos Hídricos e navegador.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Início de operação da fábrica de Ribas do Rio Pardo consolida MS como vale da celulose

ECONOMIA

Mercado voluntário de carbono no Brasil recua em 2023

Dados são do Observatório de Bioeconomia da FGV

BRASIL

Conab recebe mais R$ 115 milhões para apoio à comercialização da agricultura familiar

DIREITOS HUMANOS

Cimi: políticas públicas ainda não frearam violência contra indígenas

Relatório cita fortalecimento e retomada de ações de fiscalização